Grandes avós

“Em todas as mulheres, sobretudo quando entram na maturidade, instala-se uma força subterrânea e invisível que se manifesta por meio de comportamentos inesperados, arroubos de energia, intuições perspicazes, ímpetos apaixonados: um impulso arrebatador e inesgotável que as impele obstinadamente rumo à salvação, à reconstrução de toda e qualquer integridade despedaçada. Como uma grande árvore que,…

idas e vindas

depois de uma vida de idas e poucas vindas decidi fazer poucas idas e esperar por todas as vindas de uma vida inteira em atraso. o amor precisa que dois queiram e façam. quando a maior parte cabe a apenas um o amor se perde entre idas e vindas. cansei. decidi parar e esperar. o…

Morte ansiada

A morte já era esperada Ansiada e suplicada, até. O gozo final de uma vida terminal. Ela era digna de uma morte misericordiosa. Precisava dar e receber perdão, Precisava de permissão pra partir e abandonar a nau de toda uma família. Já não era mais, nem bússola, nem leme. Era mais uma âncora ostentando à deriva,…

Assumindo os cabelos brancos 2

Bem que tentei!!! Não consegui. Fracassei. (pela segunda vez) Fui precipitada, apressei o processo, descolori o cabelo. Me transformei – em poucas horas – numa vovó de cabelos brancos esturricados e mal cortados. Fica a dica: quando decidir assumir seus cabelos brancos, relaxe e espere pacientemente. A natureza tem seu tempo. Respeite-os: o tempo, a…

Os lugares de 2017

Neste ano, revisitar lugares vistos no decorrer de toda uma vida, aconteceu quase que por acaso. Assim como eu, alguns lugares surpreenderam, outros decepcionaram. Foz do Iguaçu (PR) foi uma grata surpresa. A infra-estrutura do parque é coisa de primeiro mundo. E as cataratas, únicas também. Já o Itaimbezinho (RS), decepcionou. Há 22 anos, quando conheci a…

Engolidos

Cuidado: Jurerê pode nos engolir! Quando a gente vê, está de Havaianas e vestido rasgado no shopping, calça apertada, cabelo espigado. Fora de corte. Fora de moda. Fora de cena. Em todos os sentidos e aspectos. Tudo se resume à casa, praia, bairro. Aqui a gente se basta. Aqui a vida se compacta. Jurerê se agiganta e nos completa….

Sobre as velas

Enfim, mais uma temporada produzindo velas. Foram mais de 40 velas, entre pilotos (pra abastecer os candelabros à beira da piscina), velas com sementes, conchas, canelas, flores e folhas, xícaras e potes. É a quinta temporada. Uma vez por ano, reservo uma semana, e me entrego ao calor da parafina, aos tempos e processos que…

Sou

Sou terra, raio e trovão. Fogo. Vermelho. Pink. Um pouco, quase nada: água, ar. A absoluta sobrevivência. Preciso de chão pra fincar os pés. De cor pra me aquecer. E intensidade para viver.

o pior de tudo

o pior de tudo é ainda te amar é ainda sonhar com o amanhã é ainda me ver a teu lado. é ainda me saber totalmente tua você que nunca foi – nem quis ser – somente meu. esse querer foi sempre só meu.

Borboletas

De borboletas quase todo mundo gosta. Eu não. Elas me dão um estranho nervoso. São de uma leveza mortificante, de um esvoaçar cambaleante. De um nascer intrigante. “Belo”, dizem uns. Não eu. Me arrepiam os casulos dependurados, as larvas que rastejam aqui e acolá. Elas me remetem à morte devoradora. Mariposas negras rondam o verde que me cerca….

Sobre a arte

Tenho evitado comentar sobre a exposição das 270 obras do Santander Cultural de POA – RS, o QueerMuseu – Cartografias da Arte Brasilleira – e do MAM. Primeiro por não ser especialista no assunto. Segundo, por preguiça. São tantos os viés do tema, que só de pensar em escrever … isso não quer dizer que…

abraçada

de vez em quando, quando te abraço e me encaixo em ti, enrodilhada como concha, agarrada como tatu, quando nossa respiração se acalma, nossas pernas e pés se entrelaçam, me lembro que existe o paraíso. encontro nesta pequena entrega, minha morada. corpos quentes e ardentes descansando. aspirando sem medo, sem dúvida, sem mágoa a vida…

Jabuticaba

Amanheci assim: Uma jabuticaba. Suculenta, doce e apetitosa. Ela. Amanheci sedenta por ela. Foram tantas as teorias de infertilidade jabuticabóica. Outras tantas de medidas drásticas e cruéis. De pregos a machados. Ameaças e blasfêmias. E ela, feito esfinge. Resistiu, por ser bela. Vinte e dois anos depois, o pote generoso de sabor silvestre me lembra…