Preparando a esmaltação

Devagar, devagarinho estou chegando lá. As primeiras peças biscoitadas, foram lavadas e deixadas a secar ao sol. O objetivo é abrir os poros da argila e retirar qualquer resquício de poeira que comprometa o processo.

ceramica 3

Depois de secas, as peças foram guardadas em sacos plásticos limpos e recolocadas na prateleira. O próximo passo é a esmaltação.

ceramica 1

São pratos, bowls, descansa-colheres, luminárias, porta-incensos, potes …

ceramica 2

Além destas peças, outras estão indo ao forno para serem biscoitadas (é a queima a 900 graus). Depois da esmaltação, outra queima está agendada.

Sobre o Caminho

“Dançando na luz” abriu a maratona Shirley MacLaine. Depois li “Minhas Vidas” e agora “O caminho – Uma jornada do Espírito”.  O interesse pela autora é antigo e se conecta com o interesse dela por vidas passadas, esoterismo e misticismo. Nada a ver com religiosidade. “O caminho” – título do livro – é o caminho de Santiago de Compostela, que fiz (uma parte) em 2010. Ele anda acenando e me convidando a voltar. A caminhada completa, 30 a 40 dias de peregrinação, foi pensada junto a Santo Tiago na Catedral de Compostela. Pelo que lembro, nem ele nem eu, cumprimos o combinado.

Enquanto leio e relembro a caminhada, reflexões como esta, me instigam a repensar o combinado, e, quem sabe, me levem a refazer a caminhada.

“Toda a vida é uma lição de autoconhecimento. Quanto mais entendermos sobre nós mesmos, mais seremos capazes de lidar com qualquer coisa.

Os líderes do mundo atual são exemplo disso. Cada um deles sofre da falta de autoconhecimento, por isso tantos agem de maneiras destrutivas. Eles são, na verdade, autodestrutivos. Destroem não apenas a si mesmos, mas as pessoas que lideram – Clinton, Milosevic, Osama bin Laden, os mulás do Irã, os governantes da China, e assim por diante. Os líderes que eu conhecera que haviam estado na prisão em confinamento solitário – Gandhi, Nelson Mandela – tinham resolvido muito dos seus conflitos interiores por terem sido forçados ao isolamento. E todos afirmaram que aquele foi o período mais importante de suas vidas. Hoje, poucos dedicam tempo à busca interior, e disso vem o estado do mundo, que beira o desastre. Com certeza, as pessoas comuns em qualquer sociedade não tem tempo para a busca interior porque estão presas à competição pela sobrevivência, devido ao materialismo furioso. As pessoas no mundo parecem presas a uma esteira de sobrevivência, ignorando as alegrias da evolução que só poderiam conhecer se gastassem algum tempo para descobrir quem são.”

(O caminho – Uma jornada do espírito, Shirley MacLaine, p. 114/115)

Cadeia alimentar

Matei uma vespa com o fundo do copo.

Arrrrrrgggggg.

Matei. Sem dó nem piedade.

Sem culpa.

Mato também moscas, baratas, mosquitos,

formigas, traças, cupins, cochonilhas …

Todos, sem culpa. Uma questão de sobrevivência ….

Se conseguisse

acabaria com todos os sapos, rãs, pererecas e lagartixas

Arrrrrgggg, que nojo!!!!!

 

Cadeia alimentar pra mim, é minha dieta: uma prisão.

Detalhes

É nos detalhes,

que nos surpreendemos com algumas grandes expressões.

O olhar que captura o instante,

captura também o objeto, o entendimento, o sentimento.

Minúcias e fragmentos do cotidiano

quase imperceptíveis e invisíveis ao olhar distraído, estão lá.

Basta aquele olhar enviesado e atrevido num lapso de tempo,

e a catarse dos desejos oprimidos encontra numa lasca de espaço

a mais genuína miudeza. Do pouco e do muito.

Os detalhes de cada um de nós.

cópia de IMG-2463

 

 

Tutu

Alguns passam a vida correndo atrás de bufunfa,

que passa a vida fugindo desses alguns.

Conheço alguns assim.

Outros passam a vida correndo atrás de sonhos

O dindin sossegado, fica rondando. Sem medo. Sem pressa.

Parece até que money e correria

não se entendem.

É com alguns que a grana

– definitivamente –

não se acerta.