A dor da perda

21/4/2011 23h37m – Geral
Mistério felino: Onde está Logan?

Lajeado – O nome dele era Logan. Feroz, cara de mau, garras em prontidão, desconfiado. Enfim, a descrição perfeita de um gato arisco, encontrado abandonado. A psicóloga que entende de gente e adora escrever fez questão de levá-lo para casa. Foi o seu presente de Natal do ano passado, e apesar de tê-lo achado na rua, foi seu presente valoroso. Após se afeiçoar e passar muitos momentos com o bichano preto e branco, eis que o destino lhe reserva a maior surpresa. Há três semanas, o bicho de estimação de Suzete Herrmann sumiu. A psicóloga colocou anúncio no jornal e se vê diante de inquietações mil: onde está Logan? A maior agonia é por não saber o que aconteceu com ele. Suzete, que sabe tudo de ritos de passagem e de como o ser humano lida com eles, não consegue passar pelo seu, porque não houve um ponto final entre ela e animal parceiro.
Logan, que virou Lolinho com a convivência, não tem mais o chamego da dona. “Eu nem ao menos sei se ele morreu.” Na noite anterior ao sumiço havia indícios de que Logan teria brigado com um gato forasteiro. Mas são apenas suposições da psicóloga que descreve seu bicho como caseiro e receoso. “Ele mal cruzava a rua, era muito medroso.”
Suzete acaba de estabelecer um consultório em São Paulo e divide-se entre Lajeado e a capital paulista. O gato ficava aqui, fazendo a maior festa ao avistá-la. Suzete chegou a dedicar uma crônica ao bichano no seu blog – “Logan: companheiro de uma história ainda sem fim”.
A família de Suzete é apegada aos bichos. Mania de família tratar os animais como merecem ser tratados. E até com deferência. Se Logan fosse velho o suficiente para morrer de morte natural, ele seria enterrado no cemitério particular em Colinas. A mãe de Suzete, Lires Brentano, há anos destinou um espaço especial aos animais. No cemitério estão enterrados os bichos de estimação da família: gatos, cachorros e até um hamster.

Amor incondicional
Suzete entende de gente. E compreende que os bichos aceitam a gente como a gente é. Então, a rigor, oferecem companhia e amor sem as exigências dos seres humanos. Aceitam os tutores sem os julgamentos que os tutores fazem de outras pessoas. É por isso que homens e animais criam vínculos fortes, saudáveis e duradouros. Porque os últimos dão incondicionalmente. “Vivemos em uma sociedade em que não somos magros o suficiente, nem inteligentes demais, nem bonitos demais. Mas o animal é teu amigo e não espera nada de ti. Te aceita feia, bonita, triste ou braba.”
Segundo Suzete, para a criança o animal faz a função do amigo imaginário. “Além de ser uma companhia, um amigo, tem a função de preparar para a responsabilidade. Por isso é importante que os pais deleguem aos filhos a função de dar comida e levar o bichinho para passear.” Com o animal, a criança aprende a se relacionar, a trabalhar valores como amor e compaixão, e administrar o egoísmo.

“Após um período em que cada um o chamava como queria, o nome Logan caiu como uma luva. Lembram? Logan, Volverine, garras retráteis de adamantium, X Man? Era a cara dele. Feroz, cara de mau, garras em prontidão, desconfiado. Enfim, o nome perfeito.”
(Suzete Her-rmann, psicóloga, adotou Logan, o gatinho que sumiu)

Andréia Rabaiolli
andreia@informativo.com.br

Esta foi a matéria que saiu no Jornal Informativo sobre o desaparecimento do meu Lolinho. Era para ser uma simples notinha, mas saiu meia página do jornal.( Meu marido quis saber se vou reservar o jornal inteiro para ele, caso ele desapareça. Quem sabe!!!!!) Recebi a notícia em Sampa e fiquei muito triste, imaginando o que aconteceu com meu mimoso. Chegando ao sul recorri a tudo para localizá-lo: procura por terrenos baldios e obras, conversa com os vizinhos, contato com entidades protetoras de animais, classificados, matéria no jornal. Fiquei surpresa com a quantidade de histórias sobre gatos que somem. E porque isto acontece: para morrer longe do dono, para buscar um novo lar, estão em choque ou perdidos. Alguns simplesmente somem por meses e de repente reaparecem. PLIN, como que por encanto ou milagre.
Sinceramente, não sei o que pensar. Meu bom senso diz que ele morreu. Minha intuição diz que ele está vivo e que vai voltar. Assim, num PLIN.
Só o tempo dirá. Por enquanto só posso ficar aguardando. Já fui ver vários gatos resgatados, mas nenhum era meu Lolinho. Incrível como um gato vira-lata preto e branco, modelito popular, é único e singular. Basta apenas um olhar.
Agradeço aos amigos, conhecidos e até desconhecidos que me escreveram e foram solidários relatando seus amores, dores e histórias envolvendo seu relacionamento com animais de estimação.
Ainda dói não saber onde meu Lolinho está. Quem sabe qualquer dia destes: PLIN. E ele voltará a espreitar e caçar passarinhos desavisados, dormirá preguiçosamente pelos sofás da casa e me esperará resmungão e mal humorado, e ambos faremos a maior festa por nos reencontrar. E viveremos felizes para sempre.
PLIN. PLIN. PLIN. PLIN. PLIN.

2 comentários sobre “A dor da perda

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s