Fechando um ciclo

Perdi meu pai em agosto de 2009. Após 17 anos convivendo com o Mal de Parkinson, e nos últimos anos também com o Mal de Alzheimer, meu pai repousou aos 73 anos de vida. Sua morte foi um descanso e um alívio para todos. Não apenas para ele, mas para toda nossa família. Nos últimos 18 meses de vida, ele ficou acamado, 100% dependente dos cuidados da família e enfermeiros. Viveu um período com sonda nasal, urinária e com fralda. A maior parte dos dias ele não sabia quem era, onde estava e quem éramos nós. Por isso, sempre digo que fui perdendo meu pai aos poucos. Ao longo de 17 anos. A morte do corpo foi apenas a última etapa. O Parkinson foi tirando as manifestações e expressões voluntárias de afeto, o andar junto, o sorriso no momento oportuno, o olhar radiante e vibrante, os abraços fortes e as palavras sábias e interessadas. O Mal de Alzheimer foi tirando as lembranças, a fala, a memória, o reconhecimento de tudo. O resto que ainda existia. Todo este processo foi lento e doloroso. Havia os dias bons e os dias ruins. Os dias melhores e os dias piores. Até que sobraram apenas os dias e as noites. Quando os dias e as noites se confundiram decidimos que chegara a hora de colocarmos nosso pai numa casa de repouso. Não havia mais mãos, braços, colunas ou emoções para suportar o peso de sua doença. Esta foi uma decisão difícil, porém necessária. Muitas famílias ainda relutam frente a idéia de deixar seu familiar idoso aos cuidados de uma instituição geriátrica. Sabíamos que este dia chegaria, e por isso fomos nos preparando para quando chegasse a hora. O que determinaria o momento certo seria sua lucidez. Quando ele passou a maior parte dos dias delirando, chamando pelos mortos, dizendo que queria ir para casa e não nos reconhecendo mais, a hora havia chegado.  No início foi doloroso, mas com o passar dos dias e semanas, entendemos que fizemos a coisa certa. Colocamos nosso pai querido num lugar escolhido à dedo, aos cuidados de gente competente e carinhosa. Meu pai estava cercado de pessoas, que assim como ele, haviam cumprido suas missões em vida e aguardavam a morte chegar. Era assim que eu via. Falar sobre a internação e sobre a doença sempre é difícil, mas são circunstâncias da vida. Resta-nos apenas fazer o que pensamos ser o melhor. Destas decisões e destas vivências não saímos ilesos. Além do sofrimento, da insegurança e da dor, aprendemos muitas coisas. Desde o cuidado com o enfermo, a paciência e o carinho renovados, o perdão, a aceitação até a resignação frente à velhice e a morte. Aos poucos entregamos nosso ente querido ao divino, ao desconhecido. Permitimos que ele parta, nos deixe e nos abandone. Nos resignamos e aceitamos este período moribundo, a ante-sala da morte. E cada um, do jeito que pode, presta suas últimas homenagens e solidariedade ao enfermo e sua família: vem acarinhar, ajudar, consolar, bisbilhotar. Vem ver a morte chegar. Acho que lido bem com a morte. Acredito que ela seja uma transição, uma passagem. Não sei para onde vamos, nem o que acontece depois. Respeito todas as religiões e suas crenças sobre vida depois da morte. Mas ainda não cheguei a uma conclusão ou posição definitiva. Sei apenas que rezo para meus avós e agora para meu pai falecido, como se fossem meus anjos da guarda, e peço a eles que me iluminem, me acompanhem, me ajudem sempre que necessário. E sei que posso contar com a ajuda celestial deles. Sinto-me acolhida e atendida em meus pedidos e lamentos. Por isso acredito que a morte não seja o fim, apenas uma passagem.

Acompanhando a deterioração, decadência e morte de meu pai, e sabendo do componente genético para as doenças que o destruíram, fui buscar orientação e conhecimento para ver o que fazer para não ter o triste fim que ele teve. Querendo ou não, é nisto que pensávamos ao vê-lo sendo aniquilado pelos genes perversos de família. Meu avô, pai do meu pai, também morreu deste jeito. Olhávamos e pensávamos silenciosamente: Quem de nós herdou o maldito gene? Fui buscar respostas para minhas apreensões. O que fazer para evitar que o Parkinson ou o Alzheimer me dominem e consumam minha vida? A primeira coisa é não pensar que vou ter o mesmo fim. Mesmo tendo herdado o gene maldito, isso não quer dizer que vou desenvolvê-lo. Muitas coisas erradas têm que acontecer para que esta “sina” (era assim que meu pai se referia a sua doença) se repita. Lendo o livro “Fique de bem com o seu cérebro” aprendi que podemos fazer muitas coisas para manter nossos cérebros ágeis e saudáveis durante toda a vida. E não são coisas caras ou difíceis de fazer: atividades físicas regulares, alimentação saudável, ter um hobbie, amigos ou um animal de estimação, vida social ativa, ler, jogar baralho, escrever, ir ao cinema e ao teatro, viajar, conhecer coisas, pessoas e lugares novos, aprender um novo idioma, um instrumento musical, etc., etc., etc. Ou seja, levar uma vida saudável, nos manter sempre ocupados e em constante processo de aprendizado são a melhor forma de prevenir – não apenas doenças como o Mal de Parkinson ou de Alzheimer – mas qualquer doença. Por isso, não sossego nunca!!!! Coitadinha da minha massa cinzenta. Está mais sarada que meu corpo. Resolvi reaprender a fazer tricô. Mas (sempre os mas), caso eu seja agraciada com a maldita doença, vou lutar bravamente. Vou fazer como Michael J. Fox. Em seu livro “Um otimista incorrigível” ele relata como tem levado a vida com a doença que manifestou os primeiros sinais aos 29 anos de idade. Mesmo com a doença ele teve mais três filhos, criou uma fundação, e luta com todas suas forças e sintomas para encontrar a cura para o Mal de Parkinson. Um exemplo de determinação.

Lajeado, 09 de março de 2010.

Um comentário sobre “Fechando um ciclo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s