40 !?!?!?!?

 Às vésperas de fazer 40 anos, estava muito ocupada. Com o consultório, filhos, a casa, minha especialização, meu casamento. Costumava dizer que meus dias eram muito curtos. Faltavam horas nos meus dias e dias em minha semana! Sentia necessidade de produzir, render o máximo, ser eficiente e competente. Talvez uma característica feminina de provar capacidade, competência e autossuficiência. Numa sociedade cada vez mais gerida por mulheres – as chamadas famílias mono parentais – este padrão de exigência tem sido quase uma norma. E mesmo naquelas em que homem e mulher dividem o dia a dia familiar, este padrão é recorrente entre as mulheres. Ou seja, continuamos buscando aprovação e reconhecimento. Como estava entrando na década dos “enta” lembro-me de estar dividida entre fazer uma festa ou não.  Aparentemente, nenhum conflito. E como estava ocupada demais, organizar uma festa não estava cabendo na minha agenda. Decidi não fazer, mas para não deixar a data passar em brancas nuvens, dei-me de presente um lindo par de brincos: Uma linda água marinha. Fiquei feliz com a decisão, e durante muito tempo, desfilei meu brinco de 40 anos. Mas começava a avaliar a necessidade de investir e melhorar o corpo, colocando ou não uma prótese mamária. O pouco tempo disponível e o medo do bisturi colocaram esta ideia no fundo do baú. Na verdade eu estava fazendo 40 anos e não sabia como fazer 40 anos! Estava apenas ludibriando a chegada da idade e o tempo com racionalizações e decisões bobas. Afinal, tem como esta data passar desapercebida? O que representa na vida de uma mulher fazer 40 anos? Algumas estão tão anestesiadas que nem sentem; outras estão tão ocupadas que não tem tempo pra sentir; outras dão graças a Deus que o tempo está passando e junto com ele os problemas; outras negam a idade e se comportam como se fossem adolescentes; outras vivem de forma tão perigosa e inconseqüente como se estivessem numa contagem regressiva. São tantas as formas de enfrentar a chegada da idade que decididamente prefiro não opinar. É assunto particular. Mas chega o momento em que todos estes subterfúgios falham e nos deparamos com os 30, 40, 50, 60, 70, 80. Basta um olhar um pouco mais atento, e –  por mais caprichosas e vaidosas que somos, por mais cremes antirrugas que usamos, por mais caminhadas e horas de natação ou ginástica que fazemos, por mais descoladas e informadas quanto à moda e cortes de cabelo rejuvenecedores usamos – chega a hora em que percebemos a passagem do tempo. Muitas  dizem que podem estar velhas de corpo, mas que a cabeça está mais jovem que nunca. É verdade, em parte. Porque ser jovem de corpo é diferente de ser jovem de espírito. A juventude do espírito depende do nosso querer, do nosso fazer. Depende apenas da nossa permissão para ousar, não ter medo ou vergonha de dizer e fazer o que quer. Ser jovem de corpo independe do nosso querer! É a lei da natureza. Nosso corpo, nossas células, nossos órgãos e sistemas orgânicos estão programados para funcionar de certa forma conforme o tempo de vida que tem. Assim como carro novo ou usado, ou máquina de lavar roupa: quanto mais tempo de uso, mais problemas aparecem. É triste a comparação, mas ela reflete como as coisas funcionam, o que inclui o nosso corpo, a máquina mais perfeita que existe. Aos 40, teoricamente na metade da jornada, temos o corpo com as marcas da vida que levamos. Cada ruga, marca de expressão, mancha, cicatriz, gordura ou magreza, cabelos brancos, hábitos e doenças sinalizam como vivemos. Podemos descontar desta matemática nossa genética e hereditariedade. Generosa ou cruel. Quando jovens, dispensamos poucos cuidados com o corpo e a mente. Somos jovens demais! Temos todo o tempo do mundo! Aos 40, mesmo com a mente jovem, o corpo sinaliza a passagem do tempo e nos sinaliza o futuro que ainda podemos/queremos ter, fazer e viver. Tem sido fácil enganar a idade, com plásticas cada vez mais seguras e resultados cada vez mais fantásticos, cremes milagrosos, personal trainer, musculação e exercícios físicos, vestuário rejuvenescedor, divórcios e recasamentos com parceiros jovens, medicamentos potentes…. A lista é extensa para a criatividade e necessidade humana na busca da eterna juventude, da negação da velhice e da morte. Mas, mesmo com todos estes recursos é inevitável a percepção do envelhecimento. Basta olhar no espelho. Basta olhar nossos filhos crescendo e vivendo sua própria vida. Basta olhar nossos pais cada vez mais dependentes de nós, mais desinvestidos de energia, saúde e reflexos. Olhando nossos filhos identificamos nossa juventude vivida e perdida no passado, enquanto nossos pais projetam nosso futuro. É amedrontador, real e verdadeiro. Ainda bem que dispomos dos tais recursos para “negacear” a chegada da idade. Não podemos nos enganar e não nos preparar para esta etapa da vida. Um dia perguntei à minha mãe se ela tinha medo da velhice. Ela tinha então 64 anos, uma saúde de ferro e disposição de menininha.  Me disse que não. No ano seguinte, sua melhor amiga e também segunda mãe, desenvolveu o Mal de Alzheimer. Minha mãe acompanhou de perto a decadência e o desmantelamento daquela vida, como uma filha acompanha sua própria mãe. Ficou chocada e deprimida com a perda daquela pessoa tão querida. E então, pela primeira vez na vida, começou a temer a velhice e a morte. Através da amiga ela entrou em contato consigo mesma. Assim como todos faremos um dia. Felizmente minha mãe continua com saúde de ferro e disposição de menininha, mesmo com 70 anos! Mas sempre que olho para ela, vejo com alegria, que posso envelhecer bem. Serei minhas escolhas.

 Los Canales, setembro de 2006.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s