Ana

Depois de horas rodando lojas, livrarias, perfumarias e butiques, Ana sentou-se no Starbucks para tomar um Café Latte e comer um Muffin de Mozarela e Tomate Seco. Precisava descansar, recuperar o pique e avaliar as compras. Faltavam os presentes das duas filhas, dos pais dela, dos pais dele, das amigas…… a lista era enorme e ela só tinha aquela tarde pra dar conta da empreitada. O único que ela encontrara foi o do marido. Certamente, o mais difícil de todos. Largou as sacolas com as roupas e sapatos que comprou para si – presentes mais que merecidos – ao lado do sofá e foi fazer seu pedido, sem tirar os olhos das sacolas. “São dezessete reais e quarenta centavos. Dinheiro ou cartão?” “Cartão. No crédito, pode ser?” “Pode.” Ana procurou seu Mastercard na carteira, na bolsa, nos bolsos e nada. “Onde foi que coloquei o cartão?” Nervosa com o sumiço do cartão pediu licença à atendente e foi juntar-se às sacolas. Como já havia feito uma busca preliminar, na fila do caixa, Ana esparramou o conteúdo da bolsa no puff em frente ao sofá, e começou a procurar entre propagandas, tickets, contas de água, luz, telefone, comprovantes do cartão de crédito, papeizinhos de bala, folheou rapidamente o livro “Comer, Amar, Rezar” e sua agenda, olhou dentro do envelope de fotos impressas, telefone, o presente de Adriano e nada. Abriu a carteira e continuou sua busca. As mãos arrancavam fotos, cartões de lojas e outros comprovantes socados nos bolsos da carteira, moedas, santinhos, dólares, euros, reais. Num gesto desesperado partiu para cima das sacolas de roupas e sapatos e retirando-os um a um, apenas aumentava a bagunça à sua volta, pois nada do cartão de crédito. Ana recostou-se no sofá e olhou apavorada a montanha que acabara de construir sobre o puff, e envergonhada, começou a recolher seus pertences deliberando internamente sobre “onde diabos se meteu aquele maldito cartão de crédito.” Ana avaliava a possibilidade de tê-lo perdido, esquecido em alguma loja, ter sido roubada, ou ainda, dele ter passado despercebido em sua busca, quando seu telefone tocou e ela, desmoronando a pilha a sua frente, pegou o aparelho e ouviu a voz autoritária e estressada de Adriano. “Em dez minutos te pego na saída D. Estão todos nos esperando em casa. Tudo certo com os presentes?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s