Perdas

Perdi meu pai

Perdi meu chão

Já era areia movediça

Ainda encontrava um galho pra segurar

Uma pedra pra apoiar

No lodo chamado Parkinson

A areia começou a transbordar

A ampulheta tombou.

Travou. Emperrou.

Pra ele e pra mim

Aspiro e respiro areia. Sobrevivo

Meu pai foi pro outro lado:

Do tempo. Da vida.

Da ampulheta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s