Quando chegar

Penso na alegria da loucura

No vazio da alienação

Na hanseníase dos sentimentos

Na cegueira da miséria alheia

Olho para o sol e penso se haverá cura

Olho a chuva e penso nas lágrimas derramadas

À minha volta

Gritos, sussurros, gemidos

Penso na dor e no prazer.

Olhando pela janela

Através das páginas de um drama

Fiquei assim: deprimidíssima.

Preciso abrir a porta

Sair e ganhar o sol.

É nessas horas e dias

Que me sinto pangaré

Saindo por último, por fora, derrapando e escorregando

Vejo à minha frente

puros sangues e alazões

E eu, protagonista principal de um teatro de pulgas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s