Todas formas de amor

Um dia deprê, uma terça cinzenta e barulhenta convida a um filminho na tevê. Ovos, salsichas e suco light de manga na bandeja, sofá ao meio-dia, controle remoto na mão e eis que me deparo com um filme adorável e deprimente. Toda forma de amor é a matéria prima e o próprio filme. Do amor hétero – aos animais, arte, natureza, vida – ao homossexual. O amor como causa maior e como história de uma vida e de um tempo.

Depois do filme, um giro pela cidade: caminhada no parque com direito a show de águas e agapantos em flor, mercado e farmácia. Quando volto do sul passo por um período de aclimatação à metrópole. O mesmo acontece quando vou de SP ao RS. Algo como jet leg emocional. Depois de uns dias, passa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s