E se …

Quando algo não dá certo – ou dá errado – a gente logo pensa no que poderia ter feito de diferente. Afinal, o resultado esperado era para ser outro. Aí vem os questionamentos sobre E se eu tivesse feito assim, E se eu tivesse feito assado, E se … E se. E, se. Não tem como saber. Partimos então, conformados ou apaziguados para uma visão fatalista da situação: aconteceu do único jeito que poderia ter acontecido, até que alguém sacramenta “Deus escreve certo por linhas tortas.” Poderia ter sido pior. Poderia ter acontecido, isso, isso, aquilo … Amém. Mas, lá no fundinho, escondidinho de tudo e de todos, vez ou outra, surge – primeiro tímidas, depois, cada vez mais ousadas e corajosas – algumas alternativas para o E se, cada vez mais cheias de possibilidades. É chegada a hora de tentar de novo. De preferência o melhor E se de todos. Desta vez, tem que dar certo. Com todas as variáveis avaliadas e mapeadas, todas as imprevisibilidades cercadas, se o E se não for o esperado, bem, então Era pra ser assim mesmo, e ponto final. Por enquanto. Até novo fôlego. Por mais explicações que buscamos nunca encontraremos resposta para os “E se …” da vida. São escolhas demais, resultados também. Um sinal, uma decisão, um sim, um não, um gesto, qualquer coisa e, a vida segue noutra direção. Matemática e geometricamente falando. Duvida? Pegue uma régua e trace 2 pontos. Erre 1 milímetro e o risco passará longe do ponto de encontro do segundo ponto. Na vida acontece a mesma coisa. Lembro do polêmico filme Efeito Borboleta. E se eu pudesse voltar atrás. Até que ponto voltaria? O que eu faria de diferente? O que eu não faria? Será que não faria? Dificilmente. Sou daquelas que dificilmente se arrepende do que faz. Me arrependo mais das coisas que não tive coragem de fazer. E para as que eu fiz e não deu certo, persistente – ou teimosa – que sou, vou à luta, avalio e pondero possibilidades e me programo para nova tentativa. Mas, começo a engrossar o coro com a escritora gaúcha Lya Luft ao afirmar que  “a maturidade permite olhar com menos ilusões, aceitar com menos sofrimento, entender com mais tranqüilidade e querer com mais doçura”.  Acho que é isso. O quadrado perfeito não existe. Tem coisas que são como são e ponto final. E é por isso que estou há 6 dias sem tomar banho e sem lavar os cabelos. De molho outra vez. Nada de levantar os braços nem levantar peso. Nem noventa graus nem 2 quilos. Já sei de cor e ainda acho que não sei. Dessa vez decidi radicalizar. Para o resultado ser diferente preciso ao menos fazer diferente. Depois do último retoque dos pontos do meu seio – há 16 meses – a ordem é a imobilidade total. Por favor, alguém puxe a descarga? Alguém, por favor sirva meu chimarrão? Quem vai escovar meu cabelo? Ficarei descabelada se for o caso. No máximo, morrerei de tédio de nada fazer. Que é tudo que eu devo fazer. E se ….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s