Dividida

 Chego aos poucos,

às vezes, resisto.

Mas chego.

Quanto mais me permito,

mais me entrego.

Entre gomos e nacos,

Chego aos pedaços.

Não adianta acelerar

nem passo,

nem abraço.

No tempo devido,

me reinstalo.

A metrópole até cativa.

Me silencia no mais.

Livrarias, cinemas e cafés,

um suborno descarado.

Me vendo fácil e barato.

Os dias se vestem

de eternidade,

as noites também.

Já o interior sulino

chega de mansinho, pisando forte.

Sabe da força do sangue,

das raízes, da terra.

Do ferro que ferre.

Da pegada que marca,

que crava.

Ele me tem por pouco.

Ele se,

me,

basta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s