Desenvolvimento Infantil

Quando o fim depende do início

  • Período Neonatal – Período de transição e adaptação entre a vida intra-uterina e extra-uterina (nascimento até 2 semanas de vida);
  • O recém nascido: peso médio – 3,2Kg; altura média – 50 cm (O tamanho dos pais, raça, sexo, nutrição e saúde da mãe interferem no tamanho do bebê).

Após o nascimento, os sistemas fisiológicos do bebê passam a funcionar independentemente.

  • Primeiro ano: Aumento significativo do corpo; Atividades motoras impulsionam o desenvolvimento social, intelectual e emocional da criança, satisfazendo a curiosidade e os interesses de contato com o ambiente;

    MÃE + BEBÊ = UNIDADE;

    MÃE: primeiro EU; primeiro OUTRO;

  1. Imaturidade emocional e psíquica
  2. Bem estar emocional da criança – vínculo mãe/bebê
  3. Características individuais (temperamento) – mais ativas, inquietas, calmas, vorazes, etc.
  4. O primeiro ano de vida é fundamental para o desenvolvimento emocional do ser humano.
  5. O parto além de ser o primeiro trauma, é a primeira e mais profunda separação vivenciada pelo ser humano;
  6. A amamentação mantém o elo mãe/bebê (cheiro, batimentos cardíacos, etc.), além de ser alimento completo e vacina para a criança.
  • Depois do primeiro ano:
  1. Autonomia: com a aquisição da fala e da marcha – compreensão do próprio EU ( o NÃO (negativismo) é a forma de demonstrar a autonomia);
  2. Controle Esfincteriano;
  3. Teimosia (por volta dos 2 anos);
  4. Imposição de limites;
  5. Complexo Edípico;
  • Com 5 anos: Após a fase oral( até 1a6m), fase anal (dos 1a6m até 3 anos), o Complexo de Édipo (dos 3 aos 5 anos), aproximadamente, a criança ingressa na Latência (período escolar) – de calmaria;

A importância da família: Propicia ambiente mental, emocional e psicológico para o desenvolvimento saudável dos filhos, além de satisfazer as necessidades básicas; É grande o número de crianças com problemas psicológicos, dificuldades de aprendizagem, apatia, indisciplina, distúrbios de conduta e caráter, rebeldia e até pré-delinqüência devido à falta de estabilidade nas relações familiares (são famílias desestruturadas, desajustadas com clima emocional nocivo para o desenvolvimento sadio de suas crianças).

  • A chegada na escola: Quando a criança ou o adolescente chegam na escola, além dos aspectos constitucionais e suas vivências familiares, o ambiente escolar poderá favorecer ou não o aprendizado. Ou seja:

O tripé do processo escolar:

  1. Aspectos constitucionais individuais;
  2. Vínculos familiares;
  3. Ambiente escolar.

Estas variáveis definem como o processo escolar ocorrerá.

 “Quando o fim depende do início”?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s