A arte que nos cerca

“Em 2006, enquanto tecia uma trama em metal e vidro no atelier, uma aranha apropriou-se dos fios que a prendiam no espaço e iniciou sua própria construção: uma teia que contornou o trabalho por inteiro. Pensei em expulsá-la quando notei que sua trama era semelhante à minha. Durante um mês, trabalhamos simultaneamente na mesma hora. A iluminação que entrou pelas telhas de vidro projetou uma sombra da parede ao chão do ateliê e evidenciou ainda mais a semelhança entre as duas urdiduras. livro Lume_Clara FernandesAtravés deste véu de sombras, percebi uma possibilidade de trabalhar não apenas com o palpável e visível que caracteriza a obra em termos formais, como também com seu entorno.” (Clara Fernandes, LUME, pg 06) Com estas palavras, a artista e tecelã Clara Nunes, inicia o relato do que foi tecer e montar sua exposição chamada LUME. De mesmo nome, o pequeno e belo livro de capa dura, com fotos das esculturas ambientadas tanto em São Paulo como em Florianópolis, explora a intenção e a percepção da artista com relação a sua obra. “LUME não é, por assim dizer, somente o objeto-obra, mas também o que existe em seu entorno – de onde ela parte e para onde converge.” (pg 17)

lume na praia

A obra tem um diálogo próprio e impressiona de formas diferentes quando presa no concreto da metrópole, ou, livre e solta nas areias da praia. Esta percepção remete a questões de tempo e espaço, estar dentro e fora. Conforme a posição a obra transmite um ritmo, uma imagem, uma impressão. Uma nova perspectiva.

Já no ateliê da artista, a sensação é de envolvimento. As obras desfilam no entorno e disputam espaço com teares, tapetes despretensiosos, materiais orgânicos, lãs naturais, fibras, linhas, uma rígida saleta de estar, um piano. Ah, este piano! Imaginei qual o pensamento da artista, ao sentar na banqueta e sovar a melodia nas teclas. Talvez busque o sossego e o descanso das mãos e das ideias. Talvez, encontre o desespero nas notas desafinadas o desatino da incompreensão do que está por vir, da obra incompleta que se apresenta desconjuntada e fragmentada. 
DSC08081
Mesmo assim, adoro o ambiente bagunçado e multifuncional dos ateliers. Os cheiros que impregnam o ar, a mistura de cores, texturas e possibilidades. Existe algo de sagrado nestes espaços de criação e inspiração. Nada de regras e limites, apenas a liberdade para criar e perceber a versatilidade dos elementos, toques, recortes, pinceladas …

DSC08082

Aprendi com a artista Clara Fernandes que existe uma infinidade de recursos disponíveis à nossa volta. A natureza é generosa e extremamente engenhosa. Alguém já imaginou trançar, galhos, sementes, barba de pau, lã e arame?

DSC08083

Um vestido no cabide! Como se fosse uma tela ou um biombo! Diáfano e leve como o vento, foi uma peça encomendada para um evento artístico (filme, peça de teatro). O fio leve da seda tecido com toda a imperfeição e genialidade humana .

DSC08086

Galhos se inserem no arame e na partitura. Assim, fica esquisito. No todo, algo se apresenta. É arte sem explicação. Apenas, sensação. Ou, como já ouvi dizer: o artista cria um conceito, uma idéa, desta idéia, surgem outras. O certo e o errado, não existem. Existe sim, a complexidade e a singularidade do sentimento e sensibilidade humana. E cada um é senhor/a destas emoções.

DSC08087

Afinal, nem toda obra dialoga com a gente. Tem obra sem sentido e vazia, muda e surda, que não nos diz nada.

DSC08088

Um vestido rendado. Imperfeito, esguio e selvagem. Olhei pra ele e me vi correndo numa praia deserta. Me afoguei na sensualidade e na sensação de liberdade. Óbvio, que um vestido destes fica perfeito como obra. No armário, nem pensar.

DSC08085

De palha, arame, barro, cipó. Casulos. Ninhos. Prisões. Ou apenas, um ventre gerador de vida. Questão de perspectiva.

trama Clara Fernandes

Em meio a tanta divagação e criatividade, eis que surge uma centenária e singela roca de tear. Vinda direta dos contos de fadas,  a roca tem sua função na construção e confecção de muitos teares e peças artísticas.

rocaOu seja, o próprio ateliiê cria uma certa dicotomia entre tempo e espaço, dentro e fora, subjetivo e objetivo. Exatamente do jeito que a artista sugere em seu livro LUME.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s