Mergulho

Que vontade insana de mergulhar, me embrulhar como meia, me enroscar e me engolir inteira. Ser parida ao contrário, ser feto, embrião, não existir.

Ser projeto, sonho, desejo puro.

Qual o momento exato da dúvida? Do instante sináptico, do circuito fechado, do insight vertiginoso e psicodélico de olhar pra trás e sentir calafrios? Poderia ser diferente? Ao contrário? Avesso e estrangeiro? Cadê o ponto exato, preciso e cirúrgico do arrependimento, da raiva, do sentir-se ninguém? Nasceria de novo ou preferiria ser plateia no altar dos Deuses e assistir do alto a miséria das escolhas humanas?

Tartarugas marinhas me encantam.

Nasceria de novo se soubesse mergulhar encouraçada.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s