Eu, minha natureza

Cresci entre a montanha e o rio.

Entre o verde da mata e o cascalho cinzento do rio

de temperaturas e cores imprecisas.

O vale sinuoso – verdadeira obra de arte –

Emoldurado pela terracota, o dourado, o verde e o azul.

O contraste das cores na palheta de tons

Refletindo a energia e a beleza interiorana.

Cresci ouvindo guinchos de bugios, miados de gato, coachar de sapos.

Tico-ticos e quero-queros competindo com joão de barros e canários da terra.

Cascudos e pintados encurralados em covos e anzóis.

Cigarras e corujas orquestrando

  • dia e noite –

sinfonias sem partituras.

O balançar das carroças, o trotar dos cavalos

E o passo cadenciado do gado

Marcaram a carne e demarcaram sua posse.

Meu amor pela terra é vital.

É dela que brota, cresce e floresce

A força de toda uma gente.

sou parte dessa gente.

Parte de mim é montanha.

Parte, é rio.

Esse todo é passado.

O futuro amanhece comigo.

Saio do quarto e vejo emoldurado

O mar

  • crispado verde, cinza ou azulado –

por todo o horizonte a me abraçar.

Veleiros e barcos singram as águas,

As gaivotas vem, sobrevoam minha morada e convidam:

Elas querem me conduzir ao mar.

Porém, entre nós

– o mar e eu –

além da pequena distância,

existe uma agenda de compromissos e uma imensa preguiça.

Por ora, existe apenas atração física.

Amor platônico, talvez.

O amor precisa de paixão e namoro. De tempo.

Estou em falta com o tempo e o mar.

Com o amor.

O futuro anoitece comigo ao som das ondas.

Elas sempre me encontram.

 Elas querem me namorar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s