Brevidades

1.No Farol de Cape Leeuwin, Augusta, Austrália:

“Será que não tem fone guiado em espanhol?

“Só em inglês e alemão”.

“Então vou levar em alemão. Se é pra não entender nada, quero não entender nada em alemão.”

  1. Jet Lag ou Classe Econômica

chegada em Perth

Dizem que pra recuperar cada hora de diferença de fuso horário é preciso 1 dia. De Florianópolis (BR) até Perth (AU) são 11 horas de diferença. Então, 11 dias pra estar funcionando com a mesma disposição que no Brasil. Já a viagem – contando escalas, conexões e espera em aeroportos – pode variar + ou – entre 24 e 32 horas. Então, 1 dia e pouco de desconforto. Esta é a matemática da coisa. O espírito é outro. E só pra fazer constar: Viajar na Classe Executiva é outra história. Deveria ser proibido custar o absurdo que custa. O tipo de luxo que dispensa até jet lag.

  1. Mão Inglesa

No país dos coalas e wombats, pra não falar de cangurus e eucaliptos, dirigir no trânsito de mão inglesa, implicaria sérios riscos à minha saúde neurológica e à fluidez do trânsito local. Certamente, eu viveria na contramão de trevos e rotatórias. Talvez sobrevivesse nas longas jornadas e retas, apenas seguindo o fluxo das próprias escolhas ou da manada coletiva.

  1. Genética

O assunto veio à baila ao comentarmos sobre a variedade da fauna australiana. E sobre a possibilidade de cruzar ovelhas com lhamas. Porque não? Porque são raças totalmente diferentes. Assim como franceses e chineses, que se cruzam sem maiores problemas. O que dizer do Plátipus e do Ornitorrinco? Foi a maior suruba. Darwin teria tido um treco ou teria de repensar a Teoria da Evolução das Espécies. Vocês não entendem que é uma questão de genética de sangue? Risos. Será que poderíamos pensar em genética de almas? Taí um excelente tema filosófico. Assunto encerrado.

Vale a pena retomar.

  1. O ônibus já passou

Este é o código pra servir o primeiro vinho na casa. Quem conta a história é meu marido: Ainda criança, sua mãe “adotou” um tio alcoólatra, que foi abandonado/abandonou a família e vivia na sujeira e na miséria. Como não havia recurso, conhecimento ou interesse para o tratamento do alcoolismo, foi estipulado o uso controlado da bebida. Diariamente, antes do almoço e do jantar, eram servidos dois goles – do gargalo da garrafa mesmo – pra amenizar qualquer sintoma ou vício. Como às vezes, a família estava ocupada com os preparativos da refeição a ser servida, o tio aflito com a necessidade pungente dos dois goles de cachaça, lembrava a todos que o ônibus já havia passado. O horário do ônibus: 11:30h.  O horário do vinho? Sempre que os amigos ou a vontade passarem lá em casa.

  1. Ali na esquina

Depois que você viaja para a Austrália, a Europa fica ali do ladinho, na esquina.

  1. Homem de sobrancelha

Me perdoem os que usam, mas sobrancelha moldada, delineada, arrumadinha, é coisa de mulher.

  1. Lady Boys

Por estas bandas, conhecidas minhas – Indonésia, Tailândia – é tão comum, tão comum, comum, comum … que deixa pra lá, penso mais adiante.

  1. Indonésia

Alguns dados: o país é composto por 18.307 ilhas, das quais foram nomeadas apenas 8.844 e outras 922 são permanentemente desabitadas. Bali é apenas uma das mais famosas, assim como Java, Jacarta e Lombok.

  1. Um sonho antigo

… é viajar para a Índia. Enquanto isso não acontece,percebo a Ìndia vindo a meu encontro.

  1. Vinho de Bali

Dá para imaginar vinho branco na terra dos arrozais? Pois provei e aprovei dois: Alexander e Hatta Aga White. Ambos vinhos brancos que marcaram não pela qualidade – apesar de serem deliciosos – mas pela petulância de existirem. Quem marcou pela qualidade foram os brancos frutados e refrescantes “sauvignon blancs” neozelandeses.

  1. Falando de vinhos australianos

Nem Margareth River, nem Swan Valley foram marcantes na qualidade de seus vinhos. Marcantes são as vinícolas e as exposições de arte. Mas, o passeio compensa a simplicidade dos jovens vinhos australianos. Entre tintos ou brancos, opte sempre pelos brancos chardonnay e semillon sauvignon blanc.

tela vinicola

 13. Depois de 23 dias com o inglês e o indonésio torturando meu dia a dia, o português soa como música aos meus ouvidos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s