Mística

Difícil precisar o momento em que o esotérico, o místico, o mágico, o transcendental se impregnaram na pele, na alma, no dia a dia. Na vida. Talvez o primeiro contato tenha sido a Ioga, via revista Pop, via rock. O mundo fora da pacata aldeia chamada Corvo – hoje Colinas – onde nasci e cresci, fui criança e adolescente, aos poucos se apresentava em páginas que falavam sobre Saquarema, Mauá, Rua Augusta, São Paulo, Canoa Quebrada. Os primeiros hippies que trocavam as grandes cidades por aldeias – como a minha – encravadas nas montanhas ou banhadas por praias desertas, começavam a despertar em mim, um olhar para o inusitado e o diferente. Aquela galera alternativa dos anos 70, mexia comigo. Fui adolescendo, colecionando revistas e paixões por astros do rock, por filosofias orientais e apetrechos, que meus pais olhavam com a curiosidade daqueles que veem surgindo alguém com uma visão de mundo muito diferente da deles. Fui aquela que subia as montanhas pra vislumbrar o horizonte e meditar, Black Sabbat e Peter Frampton foram meus filtros emocionais, usava roupas de crepe e franjas, cozinhava sopa com vegetais que eu mesma cultivava, fazia Ioga `a beira do rio, acendia incensos e velas e curtia uma energia diferente. Namorei, engravidei, casei. Me tornei prática e objetiva. Me formei psicóloga. Aquele mundo místico e esotérico deu uma trégua. A vida me apresentava a realidade de ser mãe, mulher, dona de casa e profissional. Meu reencontro com o mundo mágico aconteceu, primeiro, pela música. Enya fazia a conexão. Voltaram os incensos e as velas. Conheci uma psicóloga adepta dos florais. Fiz um curso de florais de Bach. Ridículo. Minha base teórica era psicanalítica. Depois, sistêmica. A teoria de uma e a técnica da outra me tornaram uma profissional focada em objetivos e resultados. A magia, ainda tímida, se apresentava através do contato com a natureza. Viagens a países exóticos e a simples jardinagem ampliavam meu mundo, tornando-o plural. Nas noites quentes `a beira da piscina, bebericando vinho e observando as estrelas, o transcendental pedia mais espaço. As conversas e reflexões começavam a ganhar novos e antigos contornos e tons. Eram válvulas de escape para a responsabilidade de ser adulta. Possivelmente, foram as doenças do meu filho caçula que fizeram a maior de todas as pontes entre os diferentes mundos do meu entorno. Desesperada, fui buscar explicações fora da medicina. Li textos de novas vertentes, plantei arruda, coloquei filtros dos sonhos nos quatro cantos da casa, comprei anjos, essências, incensos, abençoei a casa, estudei chás e plantas, pintei mandalas, descobri o espiritismo, vidas passadas, o Dalai Lama. Voltei a fazer ioga e meditação. Voltei a sentir antigas e conhecidas energias. O transcendental encontrou o caminho de volta. Aprendi e acredito que nem tudo tem explicação científica. Mesmo assim, existe. Faço algumas coisas que se não fizerem diferença, mal não fazem. Mas fazem bem pra mim e se bastam por isso. Entendo que quando abraço uma árvore e sinto uma conexão energética, meus amigos me olhem com o olhar destinado aos exóticos e excêntricos. Mal não faz. Me faz bem abraçar árvores. Entendo os que não acreditam no mistério da magia do mundo que nos cerca. Não tenho explicações para esta conexão mística e mágica. O que tenho são sensações e intuições inexplicáveis. Me permitir dar vazão a este lado esotérico, me inteirou. Sinto-me mais completa somando a objetividade da ciência com a magia do mistério. O bem estar resultante desta combinação, compensa. Também aprendi que dar espaço ao que não tem explicação é algo absolutamente meu. Não preciso nem da autorização, nem da permissão de quem quer que seja. Me basta apenas aceitação. Lembro de uma amiga com síndrome do pânico, que combinava medicação psiquiátrica, psicoterapia e aroma terapia como tratamento. Ela me garantia que era perfeito assim. Acredito nela.

Só a gente sabe da gente e do que nos faz bem. Se mal não fizer, porque não fazer?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s