Silêncio

Amo o silêncio

O quieto, o reservado, o parado. A vida no vácuo, no compasso, na espera.

É onde me encontro.

Encontro também o que conta. O que importa.

A mais profunda e verdadeira interioridade.

Mas tem silêncio sinistro.

Que acorda no meio da noite.

Que amedronta no meio do dia.

Que cala o vento e o mar, a folha que cai e o pio do sabiá.

Que enregela o fluir da vida.

Um silêncio de morte, de vida que esvai.

De esperança que emudece, some, desaparece.

Odeio este silêncio.

Ele oprime, deprime.

Mata.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s