abraçada

de vez em quando, quando te abraço e me encaixo em ti,

enrodilhada como concha,

agarrada como tatu,

quando nossa respiração se acalma,

nossas pernas e pés se entrelaçam,

me lembro que existe o paraíso.

encontro nesta pequena entrega,

minha morada.

corpos quentes e ardentes descansando.

aspirando sem medo, sem dúvida, sem mágoa

a vida acontecer.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s