Freud explica

Sei das minhas defesas,

das portas e janelas que se fecham,

das muralhas que se erguem e dos escudos que baixam.

Observo meus flancos e minha retaguarda.

Com o canto do olho e do coração. Abertos.

Atenta, sobrevivo,

às emoções e tentações.

Os germes da vida

– esses invasores indelicados e atrevidos –

esses sentimentos e medos mascarados,

essas intuições nuas,

charadas inconscientes pra lá de consistentes, alertam.

Soam sinos e gongos, sirenes e apitos,

acionam botões, válvulas e manivelas.

O que vem de frente, amorteço no peito,

fecho os olhos, aquieto o coração.

Ou abraço o capeta,

ou enforco o anjo.

Freud explica.

3 comentários sobre “Freud explica

      1. Olá, Suzete como vai você?

        Sim, eu também escrevo poesia. Me arrisco pelas crônicas e contos também.

        Já faz muito tempo que você escreve?

        Eu postei uma dica de concurso literário aqui no meu blog, você escreve bem, deveria se inscrever no concurso.

        O post está fixado na primeira página do blog da uma olhadinha com carinho depois e pense no assunto.

        Tenha um ótimo dia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s