Anoitece

Quando o sol se esgueira por trás das araucárias e se ajoelha aos pés da montanha,

o balido das ovelhas, o latido dos cães,

o coaxar de sapos e o grasnar de pássaros,

anunciam o achegamento da noite.

As estrelas se posicionam, a lua baila.

A quietude finca os pés na dormência de todos.

Na névoa que envolve e acoberta, ouço a coruja,

também alguns grilos e

o zunir de miríades de pirilampos.

Um cometa e estrelas cadentes incendeiam o breu.

A noite, enfim, se exibe.

Palmas para ela.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s