Grupos de auto-ajuda

O homem é um ser grupal e sobreviveu exatamente por viver em grupo, uma necessidade natural. Seu primeiro grupo – a família – reproduz em parte como irá se relacionar nos mais diferentes grupos de que fará parte, ao longo da vida.. Através dos diferentes grupos, o sujeito busca sua identidade individual, também grupal e social.

Existem grupos com finalidades diferentes. Alguns grupos se formam espontaneamente (amigos) enquanto outros se formam devido a algum objetivo comum e específico. Uma condição para não sermos um amontoado de pessoas, é que tenhamos algo em comum: grupos terapêuticos, comunitários, gangues, senhoras, corais, idosos, etc.

Os grupos terapêuticos dividem-se em dois ramos:

  • Grupos Operativos (grupos de autoajuda e de reflexão);
  • Grupos Psicoterápicos ( grupoterapias, familiar, casal).

Grupos de AA, diabéticos aidéticos hipertensos, reumáticos, pós-infartados, mulheres maltratadas, câncer, gestantes, etc. são exemplos de grupos de autoajuda, uma forma de atendimento mundialmente aceita e divulgada.

Por serem grupos homogêneos – ou seja, todos os participantes passam pelo mesmo sofrimento – o trabalho se baseia na experiência compartilhada, aceitação da responsabilidade por si próprio, objetivo único, participação voluntária, concordância na mudança pessoal, autoadministração. Os grupos de autoajuda ou mútua-ajuda são grupos com características próprias. O mecanismo básico desta forma de grupo é a sugestão, que procura “colocar a pedra em cima”, abafando o conflito individual , focalizando a situação desestruturada da pessoa ou grupo, com o pensamento de que todos estão “no mesmo barco”. A linguagem nestes grupos é única e familiar, buscando o crescimento pessoal por meio da aceitação, estímulo e apoio, pois o membro do grupo é valorizado como uma pessoa com potencialidades para enfrentar suas dificuldades, com o apoio e solidariedade do grupo. Embora se reconheça os benefícios dos grupos de autoajuda, estes grupos tem caráter adaptativo e não resolutivo.

O grupo de autoajuda não substitui o atendimento psicoterápico individual, mas uma forma de atender um grande número de pessoas num espaço menor de tempo. Esta forma de atendimento beneficia as populações de classe média e baixa que não dispõe de recursos e também desatola o sistema de saúde pública, devido a enorme procura por atendimentos psicológicos. Mesmo assim, cada integrante do grupo se beneficia da troca de experiências, inclusive populações mais abastadas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s