Organizando a biblioteca

Há anos venho tentando organizar os livros da família. Depois de selecionar, desapegar, doar e distribuir inúmeros títulos chegou a hora de organizar a biblioteca. Ano após ano, venho remanejando livros entre nichos e prateleiras buscando uma melhor distribuição e localização. Reparo melhoras a olhos vistos. Da prateleira improvisada da casa dos meus pais à primeira estante, depois as primeiras prateleiras de parede inteira, montei enfim, minha primeira biblioteca com cara de biblioteca. O processo não é nada simples e tenho ainda alguns livros que não encontraram seus semelhantes ou afins.

Além dos 8 metros lineares de prateleira que recobrem em “L” o escritório, criei um grande quadrado com 32 nichos de dimensões variáveis, com profundidade única de 0,30 cm.

Nos oito metros de prateleira estão acomodados livros de pouco uso: enciclopédia Barsa + Geopédia + Obras Completas de Freud + Livros de Congressos de Engenharia + Coleção Casanova + Livros de Viagem + Livros Infantis + Livros Juvenis, entre muitos títulos de livros de capa grossa, cuja única função tem sido embelezar prateleiras e ambientes. Só não me desfiz de muitos destes títulos e coleções, pois não se sabe o dia de amanhã (nos dias mais sombrios, fico imaginando a possibilidade de um colapso universal de energia e internet). Mas principalmente, óbvio, porque tenho espaço. E gosto de ver aqueles velhos livros alinhados com objetos e souvenirs de viagem. São oito metros de história familiar e viagens no tempo que me fazem muito bem. Tem até partituras de Tom Jobim, Chique Buarque e Vinícius de Morais. Sabe como é, vai que um dia, eu aprenda a tocar piano …

Nos 32 nichos, aos poucos percebo uma unidade harmoniosa: Duas colunas (12 nichos) acomodam a biblioteca de Psicologia: Psicologia Infantil, Adolescência, Casal, Família, Diagnósticos, Técnicas e Testes Psicológicos, Psicanálise, Teoria Sistêmica, Jung e Arteterapia, Auto Ajuda e temas diversos como Grupos e Dinâmicas.

Nos outros 20 nichos uma miscelânea de temas e estilos. Poesia, decoração, literatura nacional e internacional, meu favoritos, os russos, os clássicos, biografias, crônicas, livros em outros idiomas, livros de bolso, etcetcetcetc.

O espectro é amplo e bem diversificado.

Meus favoritos vão do poeta Mario Quintana ao guru Paulo Coelho. Marian Keyes, John Katzembach, Irwin Yaloon, Rosamunde Pilcher, Virgínia Woolf e Ernnest Heminway. Mirian Leitão, Danusa Leão e outros tantos e tantas preenchem vazios da biblioteca, como também os próprios vazios e cheios de toda uma vida. Companheiros sempre presentes, os livros se prestam a praticamente todas nossas necessidades humanas: são amigos, colegas, críticos, terapeutas, soníferos, remédio, afago, orientação, modelos, conhecimento, diversão, passatempo, professores.

Por isso, organizar a biblioteca é como acomodar amigos compatíveis numa mesa de festa. Um ou outro podem até destoar da maioria, mas os essenciais estão lá. E muitos me olham convidando para uma releitura. Um passeio a dois. Saí de mãos dadas com Cathy Lamb, doida pra reler “Terapia do chocolate”. Um livro saboroso, leve e divertido, do nicho “Literatura para beira da piscina”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s