Não vai dar tempo

Toda vez que organizo os livros da biblioteca de casa tenho a sensação de que não vai dar tempo de ler e reler todos os livros distribuídos pelas prateleiras e mesas de casa. Tem livros recomendados e anotados numa lista gigantesca de possibilidades para comprar. Tem livros que ainda nem foram lançados.

E aí me lembro de todos os cursos que quero fazer e coisas pra aprender e lugares por conhecer; vidas que gostaria de experimentar, pessoas pra rever, trabalhos pra concluir. São coisas demais.

Certeza de que não vai dar tempo. Certeza de que o tempo pouco se importa. Quando chegar a hora, o que tiver de acontecer, acontecerá.

Será que terei o bônus de uma vida extra de tempo?

Cuca Fundida

A noite foi de sono moído e por isso li até quase o dia raiar, mesmo sabendo dos vários compromissos e pendências da exposição Diálogos do Inconsciente, em Lajeado. Enquanto espero pela livreira Stela, meu olhar cruza com o livro “Cuca Fundida” de Woody Allen. A identificação foi imediata.

Do autor li o brilhante “Adultérios”.

“Cuca fundida” é estranho. Literatura fantástica estranha. Estranhamente, é só o que tenho a dizer.

Souplat de crochê

Minha amiga Isa disse que fez mais de 200. Por isso me deu a receita do modelo. Ela já sabe de cor. Imagino. Estou no sexto souplat e também – quase – já sei de cor.

Fácil e rápido de fazer, o modelo fica uma graça para servir a mesa no maior capricho. De repente me animo e faço como Isa. Um montão de souplats pra dar de presente e vestir a mesa de todas as cores. A ideia me agrada.

A receita é fácil de seguir e a maior dica que posso dar é: comece com 7 correntinhas e fique atenta aos pontos baixos e baixíssimos. São eles que definem o acabamento perfeito.

 

A arte da guerra – Sun Tzu

“Sobre o autor

Considerado um dos maiores estrategistas bélicos, Sun Tzu foi um general chinês e profundo conhecedor de táticas militares, alcançando em sua carreira, inúmeras vitórias. As ideias de sua obra mais conhecida, A arte da guerra, foram adotadas por consultores e executivos das mais variadas áreas, por serem, até hoje, consideradas de grande importância nos campos militares e estratégicos. Apesar de não haver nenhuma biografia fidedigna de Sun Tzu, sabe-se que ele viveu na China por volta do século IV a.C.”

(A arte da guerra, pg. 95)

Da série : Vou ter de reler. O livro é recomendadíssimo.

Não que a vida seja uma guerra. Mas todos os dias somos colocados frente a uma série de escolhas e posicionamentos. A visão que Sun Tzu tem da guerra, ajuda a pensar formas alternativas para enfrentar situações estressantes e de conflito. Algo absolutamente necessário nos dias de hoje. Interessante perceber as diversas perspectivas e possibilidades que qualquer embate representa.

Registros de viagem

Foi-se o tempo em que na volta dos passeios, viagens ou comemorações, ia-se direto às Fotópticas e H.Meyers para revelar fotos, comprar álbuns e escrever etiquetas. Depois estes álbuns viravam livros de viagem, comemorações e passeios mostrados orgulhosamente para amigos e familiares.

Depois veio a fase dos álbuns de scrap. Além das fotos – agora digitais e portanto impressas – papeis, folders, ingressos, rendas, flores, botões e outros tantos adornos, embelezavam um novo tipo de álbum. Este, com status de álbum artístico e toques jornalísticos, tipo “jornaling”, sacramentava nossas viagens com diário, impressões, cabeçalhos, letras, etcetcetc. Amei fazer mais de 10 álbuns de viagens. São verdadeiras obras de arte, que esporadicamente precisam ser re-colados. Infelizmente o tempo e as variações climáticas acaba descolando fotos e apetrechos.

Depois vieram os álbuns tipo “smash”. Não me adaptei. Tenho dois inacabados. Com grandes chances de continuar assim.

Aí foi um flerte com os álbuns com fotos Polaroid. Poucos clicks.

De alguns anos para cá, comecei a fazer posts com fotos, roteiros, dicas, impressões. Criei a categoria Lugares no blog bysuzete.com. São mais de 60 posts. É lá que tenho registrado lugares incríveis e viagens inesquecíveis. Tipo Alasca, Rota 66, Santiago de Compostela, Tailândia … É só clicar na categoria Lugares e deixar-se levar.

Hoje, ao ler sobre uma viagem, feita anos atrás, me deparei com tantas informações que acabei lendo todos os posts que escrevi ao longo dos últimos anos. De uma época em que imaginava escrever um livro sobre dicas e lugares incríveis por onde passei.

Surgiu daí a ideia de recontar viagens de outros tempos.

Belo jeito de acender a memória e praticar a escrita. Por ora, apenas um projeto.

Mar de outono

O rugido do mar me intimou.

Estive ausente. O ouvi quando cheguei ontem.

Dormi ninada e mimada por ele. Cantiga de ninar este mar que aprendi a amar.

Um sono embalado e cadenciado. Sonho bom.

Fui. Final de tarde. Final de verão.

O outono paira no ar. No mar.

As montanhas, ao longe, também.

Azul grafite. Marinho. Celeste. A água “tíbia”.

Nada de golfinhos, nem peixes . As ondas se desenrolam a meus pés.

Na areia nada de conchas. Apenas o reflexo do céu.

Espelho de cores e formas.

Amarelo, azul e branco pintado de peixes e gaivotas, estilizadas ao vento.

A noite cai rápido. O estranho agito na maré que sobe,

nos pássaros que se afastam, nos ciclistas e passantes que aceleram.

O dia finda. Arranco a roupa do corpo

me perco na noite a beira mar.

A água, continua tíbia.