Assumindo os cabelos brancos 2

Bem que tentei!!!

Não consegui. Fracassei.

(pela segunda vez)

Fui precipitada, apressei o processo,

descolori o cabelo.

Me transformei

– em poucas horas –

numa vovó de cabelos brancos esturricados e mal cortados.

Fica a dica:

quando decidir assumir seus cabelos brancos,

relaxe e espere pacientemente.

A natureza tem seu tempo.

Respeite-os:

o tempo, a natureza e seus cabelos.

 

 

Assumindo os cabelos brancos

Difícil precisar o que determinou a decisão de assumir meus cabelos brancos. Um misto de rebeldia e maturidade me parecem bem pertinentes. Também a constatação de que ficaria careca se não parasse de intoxicar meu couro cabeludo – a cada 15/21 dias. A coceira pós-retoque me alertava sobre os riscos da química das tinturas de cabelo. Afinal, se mulher grávida não pode pintar o cabelo porque faz mal ao bebê, o que nos garante que não faz mal para a própria mulher? Sem contar a estranha e ininteligível necessidade de solidificar um novo visual que retrate exatamente este novo momento de vida. Sim, o corpo fala. Foram 22 anos ininterruptos pintando as madeixas.

O processo tem seus dias!! Alguns mais penosos que outros. Mais fácil seria cortar os cabelos bem curtinhos ao estilo Sandra Annemberg. Se às vezes, nem eu me reconheço com os cabelos brancos, com eles ainda curtos, me sentiria uma E.T.

Por enquanto, não. Ainda não.

Desde que me conheço como gente, sempre usei cabelo escuro: castanho ou acaju borgonha. Mesmo tendo pele e olhos claros, minha alma e essência, nunca/jamais foram loiras. Prateada? Quem sabe. Loira não. Mas, estar loira, faz parte deste processo.

A primeira foto deste mosaico foi tirada no dia do meu aniversário de 55 anos. Um mês  depois, em junho de 2017, a certeza de que o momento de assumir os cabelos brancos/grisalhos havia chegado. Depois de 45 dias sem retocar as raízes fui cabeleireiro. Na primeira etapa descolori os cabelos e cortei uns 15 cm do fio. Ficou horroroso. Suportei o espelho e os comentários lendo blogs e fotos que tratavam do assunto: A Revolução Grisalha.

Fiz uma segunda descoloração. De novo não ficou legal. Definimos como projeto viável e suportável esquecer as descolorações e fazer mechas com um tonalizante mais escuro, usado no cabelo masculino. Além de adotar uma máscara roxa ao invés de shampoo  e  condicionador comum, a cada lavagem de cabelo. Por enquanto estou sobrevivendo.

E sempre que a vontade é recair e lambuzar o cabelo com a tintura acaju borgonha, marco cabeleireiro pra fazer uma hidratação profunda e escova. Nada que mãos habilidosas não transformem.

O importante é se manter firme. E caso no final do processo o resultado não for o que imaginei, um universo de cores me aguarda. Abaixo alguns cabelos grisalhos que servem de referência e estímulo para seguir em frente. Com saúde e liberdade.

Caponata Siciliana

Pra inaugurar uma nova Categoria – em Coisas de Mulher – Forno e fogão – uma delícia de gostosura. A caponata é perfeita como um tira gosto agridoce. Leve, fácil e rápida de fazer.

caponata-siciliana

Ingredientes:

  • 3 beringelas médias com casca, cortadas em tirinhas
  • 2 cebolas cortadas em rodelas finas
  • 3 dentes de alho picados
  • ¾ xícara de azeite de oliva
  • 1 pimenta dedo de moça picada
  • casca ralada de meio limão siciliano
  • sal a gosto
  • 2 colher (sopa) de açúcar
  • ½ xícara de uva passa preta
  • ¼ xícara de vinagre branco
  • Fatias de pão ou torradinhas para acompanhar

Modo de fazer:

            Em uma frigideira grande, leve ao fogo médio as berinjelas, cebolas, alho e o azeite. Deixe cozinhar durante uns 15 minutos, mexendo de vez em quando. Quando a berinjela ficar levemente macia, acrescente os ingredientes restantes e cozinhe mais alguns minutos. Deixe esfriar. Sirva sobre fatias de pão ou torradinhas.

            OBS: Esta caponata deve ser guardada no refrigerador.

                    O prazo para consumo é de 7 a 10 dias.

                   Depois de pronta, talvez precise regular o tempero.

caponata

Se preferir, pode amassar com um garfo pra ficar tipo patê.

37 anos de casamento – Bodas de Aventurina

É hoje. 37 anos de tudo que faz da vida a dois, a maior de todas as aventuras humanas. Nada de mapas, bússolas, GPS, roteiros ou agendas. A aventura é radical, e única.

A jornada, heróica. Obrigada meu amor, por me querer como companheira de uma vida.

Pesquisando sobre a pedra que homenageia a boda, fiquei surpresa com a Aventurina. Sequer conhecia a pedra. Lendo as propriedades da mesma, tenho de admitir que a escolha da pedra é perfeita para o momento da vida conjugal. Meia idade, menopausa, aposentadoria …

Elias e eu no Swartzwalt, - em outubro de 2016 - Alemanha
Elias e eu no Swartzwalt – Alemanha, em outubro de 2016.

AVENTURINA. É uma pedra de cor verde que significa prosperidade e é muito positiva. Purifica mentalmente e emocionalmente. Neutraliza as emoções, trazendo o equilíbrio para o corpo físico. Elimina o medo e cura problemas relacionados à doenças de pele. Inspira independência, criatividade e saúde. Ajuda a relaxar, especialmente para aqueles que tem problemas ao dormir. Nos traz paciência e ajuda a acalmar nossos nervos e controlar a raiva. Encoraja a tolerância e a aceitar sugestões vinda de outras pessoas. Encoraja a regeneração do coração. Estimula nosso metabolismo e reduz o nível de colesterol. Aventurina tem efeito anti-inflamatório, ajuda em doenças de pele, erupções e alergias em geral.

foto de internet
foto de internet

Preparando a casa para o Natal

Quase o pinheiro inteiro.
Quase o pinheiro inteiro.

Dias atrás alguém me disse que deveríamos estar com a casa arrumada e preparada o ano todo, não concordando com esta história de arrumar a casa para o Natal. Em parte, até concordo. Casa limpa e organizada faz bem pra saúde, pro olhar, pra vida, pra tudo o ano todo. Mas tem que ter equilíbrio, senão vira mania de limpeza, TOC e outras excentricidades, dignas de constar de algum compêndio de psiquiatria.

espaço criança
espaço criança

Preparar a casa para o Natal é quase como preparar a casa para a chegada de alguém muito querido, como um filho, um neto, amigo, parente, um bichinho de estimação , até mesmo, para a chegada da primavera/verão/outono/inverno. Toda esta expectativa e preparos remetem à reverência e respeito. Alguém que chega e que importa. Que faz a diferença. Que traz alegria e promessa de bons e novos momentos. Sabe como é, visita é bom, mas nada de exageros, senão …

outro pedacinho do espaço criança
outro pedacinho do espaço criança

Quando alguém avisa que vem me visitar, procuro adequar, na medida do possível, meu espaço ao espaço do outro. No mínimo, uma gentileza. Quando as estações se revezam, revezo a própria casa. Mesmo preferindo as estações mais amenas ou o frio do inverno, o sufocante verão também recebe as boas vindas, com cangas e conchas esparramadas aqui e acolá por toda a casa. Na primavera a delícia de  alguma planta nova, a troca das mantas de lã por cangas de praia ou mantinhas de linha. E o que dizer do milagre que acontece quando trocamos bugigangas e adornos de lugar – ou doamos, ou restauramos e pintamos móveis antigos e judiados. As casas pedem, imploram por mudança de ares, novas perspectivas e algum incremento. Pode até parecer dispendioso, mas nem sempre é.

Presépio que meu pai deu pra minha mãe há 40 anos atrás. Anos atrás uma amiga restaurou todo o presépio. Este camelo sempre foi minha paixão.
Presépio que meu pai deu pra minha mãe há 40 anos. Ele foi restaurado há algum tempo. Este camelo foi minha grande paixão natalina, quando criança.

Particularmente prefiro restaurar o antigo a comprar algo novo. O familiar me conforta e vem embebido de histórias e recordações. Na casa nova, além dos móveis sob medida (basicamente armários e balcões) todo o resto foi repaginado, restaurado ou resignificado. Foram meses de experimentações, até encontrar o canto certo pra cada coisa. Sobre restaurações de móveis, prometo escrever outro post. Óbvio que vem algumas modernidades por aí.

Uau!!! Pedaço de mesa + resto de tudo misturado.
Uau!!! Pedaço de mesa quariquara + resto de tudo misturado.

Voltando ao Natal. E preparar a casa para o Natal.

A tão esperada visita. O sagrado do Natal: Jesus/Maria/José. Todo o presépio foi disposto em souplat de espelho (estes repaginados do casamento da Fernanda)
A tão esperada visita. O sagrado do Natal: Jesus/Maria/José. Todo o presépio foi disposto em souplat de espelho (estes repaginados do casamento da Fernanda)

O kit básico que faz toda a diferença quando o assunto é decoração natalina é a cola quente (de boa qualidade) + os arames + (sprays são opcionais) e muita, muita inspiração. Criatividade e tempo também são fundamentais nesta equação. Melhor reservar alguns dias para fazer tudo sem pressa.

Uma vaso antigo + bolas de tecido + pinhas + arame = bouquet natalino.
Uma vaso antigo + bolas de tecido + pinhas + arame = bouquet natalino.

Sou uma colecionadora de Natal. Sempre que posso, trago alguma traquitana do lugar por onde andei. Normalmente compro coisas pequenas, de preferência de tecido ou madeira e, leves. Algo típico e diferente.

casal de papai e mamãe noela trazidos na última viagem.
casal de papai e mamãe noela trazidos na última viagem.

Pra começar a preparar a casa, trago as trocentas caixas de tudo que tenho guardado há mais de 35 anos. Esparramo tudo pra lembrar de tudo que tenho. Inclusive álbuns de Natais passados.  

Cada ano repito a operação de esparramar tudo. Jamais a decoração se repete.
Cada ano repito a operação de esparramar tudo. O prêmio é sempre uma decoração inédita.

É difícil dizer por onde começo. Gosto de pensar que começo com quem me chama primeiro. Limpo, separo e começo a colar o que descolou do ano anterior. Quando invento de reformar algum arranjo antigo, opto por destruir tudo e começar tudo praticamente do zero (manter a base pode ser fundamental, mas, nem sempre) e acrescento coisas que sobraram de outras destruições.

Depois do tombo de ponta cabeça, a solução foi manter a base, mas refazer todo o resto.
Depois do tombo de ponta cabeça, a solução para o arranjo, foi manter a base, refazendo todo o resto.

Tem também aqueles objetos que estão prontos, eternamente prontos. O máximo do possível é trocá-los de lugar.

Paixão à primeira vista desde sempre.
Paixão à primeira vista desde sempre.