Assumindo os cabelos brancos 2

Bem que tentei!!!

Não consegui. Fracassei.

(pela segunda vez)

Fui precipitada, apressei o processo,

descolori o cabelo.

Me transformei

– em poucas horas –

numa vovó de cabelos brancos esturricados e mal cortados.

Fica a dica:

quando decidir assumir seus cabelos brancos,

relaxe e espere pacientemente.

A natureza tem seu tempo.

Respeite-os:

o tempo, a natureza e seus cabelos.

 

 

Assumindo os cabelos brancos

Difícil precisar o que determinou a decisão de assumir meus cabelos brancos. Um misto de rebeldia e maturidade me parecem bem pertinentes. Também a constatação de que ficaria careca se não parasse de intoxicar meu couro cabeludo – a cada 15/21 dias. A coceira pós-retoque me alertava sobre os riscos da química das tinturas de cabelo. Afinal, se mulher grávida não pode pintar o cabelo porque faz mal ao bebê, o que nos garante que não faz mal para a própria mulher? Sem contar a estranha e ininteligível necessidade de solidificar um novo visual que retrate exatamente este novo momento de vida. Sim, o corpo fala. Foram 22 anos ininterruptos pintando as madeixas.

O processo tem seus dias!! Alguns mais penosos que outros. Mais fácil seria cortar os cabelos bem curtinhos ao estilo Sandra Annemberg. Se às vezes, nem eu me reconheço com os cabelos brancos, com eles ainda curtos, me sentiria uma E.T.

Por enquanto, não. Ainda não.

Desde que me conheço como gente, sempre usei cabelo escuro: castanho ou acaju borgonha. Mesmo tendo pele e olhos claros, minha alma e essência, nunca/jamais foram loiras. Prateada? Quem sabe. Loira não. Mas, estar loira, faz parte deste processo.

A primeira foto deste mosaico foi tirada no dia do meu aniversário de 55 anos. Um mês  depois, em junho de 2017, a certeza de que o momento de assumir os cabelos brancos/grisalhos havia chegado. Depois de 45 dias sem retocar as raízes fui cabeleireiro. Na primeira etapa descolori os cabelos e cortei uns 15 cm do fio. Ficou horroroso. Suportei o espelho e os comentários lendo blogs e fotos que tratavam do assunto: A Revolução Grisalha.

Fiz uma segunda descoloração. De novo não ficou legal. Definimos como projeto viável e suportável esquecer as descolorações e fazer mechas com um tonalizante mais escuro, usado no cabelo masculino. Além de adotar uma máscara roxa ao invés de shampoo  e  condicionador comum, a cada lavagem de cabelo. Por enquanto estou sobrevivendo.

E sempre que a vontade é recair e lambuzar o cabelo com a tintura acaju borgonha, marco cabeleireiro pra fazer uma hidratação profunda e escova. Nada que mãos habilidosas não transformem.

O importante é se manter firme. E caso no final do processo o resultado não for o que imaginei, um universo de cores me aguarda. Abaixo alguns cabelos grisalhos que servem de referência e estímulo para seguir em frente. Com saúde e liberdade.

Você sabe ler?

 

Pois foi esta pergunta que um oftalmologista me fez. Tinha acabado de lhe responder que meus dias aconteciam entre livros, tintas e outras artes e fiquei sem resposta. Óbvio que eu sei ler respondi ofendida à pergunta estranha. Quero saber se você sabe como ler de forma adequada. Entendi. Quantas horas você lê por dia? Depende. De 30 minutos a 7 ou mais horas. Ele arregalou os olhos e me disse que eu realmente não sabia ler. Buscou um desenho esquemático de um olho e me mostrou a estrutura de músculos utilizados e necessários para que possamos enxergar. Por duas vezes me disse que o olho humano foi programado para localizar e fugir dos predadores e encontrar caça para sobreviver e não para passar horas lendo, digitando ou escrevendo. Ok, entendi. O correto é ler 30/35 minutos e parar 4/5 minutos para descansar a musculatura do olho. Ler agride o olho, enfatizou o médico, assim como correr agride os músculos das pernas. “Você pode ler o tempo que quiser se respeitar estes períodos de descanso. Além do que, seu cérebro também não registra tudo o que você lê durante todas essas horas. Ele também é um músculo e precisa de períodos de descanso.” Saí da consulta feliz por não ter aumentado o grau das minhas lentes. Seu problema é fadiga ocular, sacramentou o experiente profissional. Normalmente ocorre uma estabilização no grau dos óculos entre 51 e 52 anos. Existem exceções. Porém, muito raras. “Faça óculos para perto com a lente mais barata que você encontrar. Esses anti- reflexos, anti-riscos são só pra encarecer o valor das lentes. Não fazem grande diferença.” Adorei o médico. A conclusão a que cheguei é de que meus olhos e cérebro são meus músculos mais sarados. Para o cérebro sei o quanto é importante esta malhação inclemente para evitar doenças degenerativas como o Parkinson e o Alzheimer. Saber que o declínio da visão se estabiliza entre 51 e 52 anos foi uma novidade muito bem vinda. Aquela receita médica irá para a pasta de documentos, já que daqui pra frente será sempre este o grau das minhas lentes. Que venham armações de cores vibrantes e formatos charmosos. A sugestão foi do próprio oftalmologista. Outra sugestão foi que escrevesse este post. Taí, depois de quase 30 dias sem escrever.

Ponto de Equilíbrio

Acabei de voltar da ioga. Ando, pra variar às voltas, com dieta e academia. Pra variar também, estou acima do peso, sem perspectivas de emagrecer. O que perco com tortura e sacrifício em 3/4 dias (este tem sido meu tempo de tolerância pra alface e proteína e restrição de carboidratos e doce) recupero numa noite de queijos e vinhos e sorvete com morangos. Ando completamente indisciplinada e revoltada com os resultados dos meus esforços. E jurei pra mim mesma, não fazer nem dietas malucas, nem tomar medicamentos. Não sobreviveria comendo 2 ovos por dia + 4 biscoitos cream cracker como fez uma conhecida. Morreria de fome, desgosto e apatia. Também não sobreviveria comendo somente proteínas. A imagem de uma cobra com um boi entalado na garganta, me define perfeitamente nesta condição.

Decidi que, por enquanto, vou comer e beber o que alimenta meu corpo e minha alma. Decidi me amar do jeitinho que sou e estou. E vou ficar bem.

Sobre a ioga de hoje. Posso garantir que foi a primeira e última vez que fui. Pelo menos com esta professora, adepta – sem sombra de dúvida- de tortura física e humilhação coletiva.

Posso explicar: ainda não. Meus braços continuam tremendo e minha cabeça ainda não encontrou o ponto de equilíbrio.

Diário de uma dieta

O texto não é meu. Bem que poderia ser. Não tanto pela criatividade e genialidade, mas pela situação, tão conhecida minha. Preferi reproduzi-lo na íntegra pra de tempos em tempos – entenda-se – sempre que estiver de dieta, poder relê-lo, me reconhecer, rir das recaídas e seguir em frente.

“ Meu Querido Diário:
 Hoje começo a fazer dieta. Preciso perder 8 kg. 
O médico me aconselhou a fazer um diário, onde devo colocar minha alimentação e falar sobre o meu estado de espírito.
 Sinto-me de volta à adolescência, mas estou muito empolgada com tudo.
Por mais que dieta seja dolorosa, quando conseguir entrar naquele vestidinho preto maravilhoso, vai ser tudo de bom.

Primeiro dia de dieta:
 Uma fatia de queijo branco.
 Um copo de diet shake .
Meu humor está maravilhoso.
 Me sinto mais leve.

Segundo dia de dieta: 
Uma saladinha básica. 
Uma fatia de queijo branco.
 Algumas torradas e um copo de iogurte natural. 
Ainda me sinto maravilhosa.
 A cabeça dói um pouquinho, mas nada que uma aspirina não resolva.

Terceiro dia de dieta: 
Acordei no meio da madrugada com um barulho esquisito.
 Achei que fosse ladrão.
 Mas, depois de um tempo percebi que era o meu próprio estômago.
Roncando de dar medo. 
Tomei um litro de chá. 
Fiquei mijando o resto da noite.
Anotação: Nunca mais tomo chá à noite.

Quarto dia de dieta: 
Estou começando a odiar salada. 
Me sinto uma vaca mascando capim. 
Estou meio irritada. 
Mas acho que é o tempo.
 Minha cabeça parece um tambor.
Janaína (aquela estagiária novinha) comeu uma torta alemã hoje no almoço.
 Mas eu resisti. 
Comi só duas fatias de queijo branco.
 Anotação: Odeio Janaína

Quinto dia de dieta:
 Juro por Deus que se ver mais um pedaço de queijo branco na minha frente, eu vomito!
 No almoço, a salada parecia rir da minha cara.
 Gritei com o boy hoje! 
E com a Janaína. 
Preciso me acalmar e voltar a me concentrar. 
Comprei uma revista com a Gisele na capa.
 Minha meta. 
Não posso perder o foco.

Sexto dia de dieta: 
Estou um caco.
 Não dormi nada essa noite.
 E o pouco que consegui, sonhei com um pudim de leite.
 Acho que mataria hoje por um brigadeiro.

Sétimo dia de dieta: 
Fui ao médico. 
Emagreci 250 gramas.
 Tá de sacanagem! 
A semana toda comendo mato.
 Só faltando mugir e perdi 250 gramas! 
Ele explicou que isso é normal. 
Mulher demora mais emagrecer, ainda mais na minha idade.
 O FDP me chamou de gorda e velha!
 Anotação: Procurar outro médico.

Oitavo dia de dieta :
Fui acordada hoje por um frango assado.
 Juro! 
Ele estava na beirada da cama, dançando a dança do ventre.
 Anotação: O pessoal do escritório ficou me olhando esquisito hoje,
 Janaína diz que é porque estou parecendo o Jack do “Iluminado?”.

Nono dia de dieta:
 Não fui trabalhar hoje .
O frango assado voltou a me acordar, dançando a kara karamba kara karaô dessa vez.
 Passei o dia no sofá vendo tv.
 Acho que existe um complô.
 Todos os canais passavam receita culinária.
 Ensinaram a fazer Torta de morangos, salpicão e sanduíche de rocambole. 
Anotação: Comprar outro controle remoto, num acesso de fúria, joguei o meu pela janela.

Décimo dia de dieta:
 Eu odeio Gisele Bundchen! 
Com photoshop até a Dercy Gonçalves fica gostosa.

Décimo-primeiro dia de dieta: 
Chutei o cachorro da vizinha. 
Gritei com o porteiro.
O boy não entra mais na minha sala e as secretárias encostam na parede quando eu passo.

Décimo-segundo dia de dieta: 
Sopa. 
Anotação: Nunca mais jogo pôquer com o frango assado. Ele rouba!

Décimo-terceiro dia de dieta: 
A balança não se moveu.
 Ela não se moveu!
 Não perdi um mísero grama! 
Comecei a gargalhar freneticamente.
 Assustado, o médico sugeriu um psicólogo.
 Acho que chegou a falar em psiquiatra.
 Será que é porque eu o ameacei com um bisturi? 
Anotação: Não volto mais ao médico, o frango acha que ele é um charlatão.

Décimo-quarto dia de dieta:
 O frango me apresentou uns amigos.
 A picanha é super gente boa, e a torta, embora meio enfezada, é um doce.

Décimo-quinto dia de dieta: 
Matei a Gisele Bundchen! 
Cortei ela em pedacinhos e todas as fotos de modelos magérrimas que tinha em casa.
 Anotação: O frango e seus amigos estão chateados comigo. 
Comi um pedaço do Sr. Pão. 
Mas foi em legítima defesa. 
Ele me ameaçou com um pedaço de salame.

Décimo sexto dia:
 Não estou mais de dieta. 
Aborrecida com o frango, comi ele junto com o pão.
 E arrematei com a torta.
 Ela realmente era um doce ……..

Frase de Reflexão:
 Certas dietas são simples:
Basta cortar o açúcar, as frituras, as massas, as bebidas alcoólicas, os pães e os pulsos.”

Fonte OGlobo ‪#‎piada

Hormônios

Até o começo do século XVIII, não se conhecia praticamente nada sobre o climatério, já que a expectativa de vida da mulher era baixa. No século I, as mulheres mal chegavam aos 25 anos de idade. No século XX, os hormônios foram descobertos, e a partir de então, iniciaram as pesquisas e as primeiras intervenções no tratamento dos sintomas da menopausa. Considerado uma droga milagrosa, o estrogênio foi aplicado inadvertidamente nos anos 60, provocando o aumento do câncer do endométrio, mais tarde contornado com a administração da progesterona. Atualmente, a reposição hormonal continua sendo assunto polêmico : tem os que defendem, tem os que condenam. Existem vantagens e desvantagens, riscos e contraindicacoes. convém salientar que a terapia de reposição hormonal não retarda o envelhecimento e precisa de acompanhamento médico. Deve ser associada a dietas ricas em cálcio e proteínas e pobres em gorduras e açucares. Os exercícios físicos completam os cuidados básicos desta fase.