Detalhes

É nos detalhes,

que nos surpreendemos com algumas grandes expressões.

O olhar que captura o instante,

captura também o objeto, o entendimento, o sentimento.

Minúcias e fragmentos do cotidiano

quase imperceptíveis e invisíveis ao olhar distraído, estão lá.

Basta aquele olhar enviesado e atrevido num lapso de tempo,

e a catarse dos desejos oprimidos encontra numa lasca de espaço

a mais genuína miudeza. Do pouco e do muito.

Os detalhes de cada um de nós.

cópia de IMG-2463

 

 

Tutu

Alguns passam a vida correndo atrás de bufunfa,

que passa a vida fugindo desses alguns.

Conheço alguns assim.

Outros passam a vida correndo atrás de sonhos

O dindin sossegado, fica rondando. Sem medo. Sem pressa.

Parece até que money e correria

não se entendem.

É com alguns que a grana

– definitivamente –

não se acerta.

Devo(lu)ção

Vim lhe pedir que devolva minha vida.

Eu a dei de bom grado,

embrulhada em amor, perfumada de paixão.

Vim lhe pedir que a devolva.

Não precisamos explicar o ocorrido.

De algum modo, ambos sabemos.

Todos sabemos.

Apenas devolva minha vida

embrulhada em papel craft ou jornal.

Desamarrada e descolada. Solta.

Ela se basta.

Diálogos do Inconsciente

Meu primeiro contato com a arte da pintura aconteceu em 1996.

Durante 4 anos pintei em ateliê de pintura

fazendo releituras de artistas conhecidos e famosos.

Passados 15 anos,

retomei a pintura, com a certeza de não frequentar nem escola, nem professor,

nem estudar técnicas de pintura.

Em 2013, fiz sem-saber-sabendo-apenas-sentindo, minha primeira drip painting.

O resultado?

Absolutamente a minha cara. Amei.

Se domino a pintura hoje? Não, ainda não.

Somos – a pintura e eu – complexos demais.

Tenho, assim como Pollock teve, dúvidas:

“Isto é uma pintura?”

Perguntou Pollock a Lee Krasner,

influente pintora expressionista abstrata da segunda metade do século XX.

Cada uma das 30 telas pintadas nestes últimos 4 anos, refletem exatamente quem sou.

Como estou. Como me transformei. Como continuo mudando.

As mais de trinta telas produzidas, são

Diálogos do Inconsciente.

Num belo dia de sol, numa semana qualquer, um grito surdo quer ser ouvido:

uma lona preta estendida, várias telas esparramadas, latas, bisnagas e restos de tinta, tubinhos de xadrez líquido, cola, pinceis, varetas, água, thinner, frascos

e um universo esperando por cores,

formas diluídas, desconexas e

infinitamente harmoniosas.

A cor sempre se apresenta.

Na hora de pintar as cores se sobrepõe e se absorvem.

Elas brincam entre si e eu com elas.

Ao movimentar a tela, movimento a tinta, movimento o corpo

e a força escorre líquida.

Ela envereda por cumes e precipícios.

Escorre de lado a lado, de cima a baixo,

até encontrar

o ponto estranho de deformada simetria.

A forma perfeita.

Como sei disso?

Não sei. Apenas sinto.