Sou

Sou terra, raio e trovão. Fogo. Vermelho. Pink. Um pouco, quase nada: água, ar. A absoluta sobrevivência. Preciso de chão pra fincar os pés. De cor pra me aquecer. E intensidade para viver.

o pior de tudo

o pior de tudo é ainda te amar é ainda sonhar com o amanhã é ainda me ver a teu lado. é ainda me saber totalmente tua você que nunca foi – nem quis ser – somente meu. esse querer foi sempre só meu.

Borboletas

De borboletas quase todo mundo gosta. Eu não. Elas me dão um estranho nervoso. São de uma leveza mortificante, de um esvoaçar cambaleante. De um nascer intrigante. “Belo”, dizem uns. Não eu. Me arrepiam os casulos dependurados, as larvas que rastejam aqui e acolá. Elas me remetem à morte devoradora. Mariposas negras rondam o verde que me cerca….

Sobre a arte

Tenho evitado comentar sobre a exposição das 270 obras do Santander Cultural de POA – RS, o QueerMuseu – Cartografias da Arte Brasilleira – e do MAM. Primeiro por não ser especialista no assunto. Segundo, por preguiça. São tantos os viés do tema, que só de pensar em escrever … isso não quer dizer que…

abraçada

de vez em quando, quando te abraço e me encaixo em ti, enrodilhada como concha, agarrada como tatu, quando nossa respiração se acalma, nossas pernas e pés se entrelaçam, me lembro que existe o paraíso. encontro nesta pequena entrega, minha morada. corpos quentes e ardentes descansando. aspirando sem medo, sem dúvida, sem mágoa a vida…

Jabuticaba

Amanheci assim: Uma jabuticaba. Suculenta, doce e apetitosa. Ela. Amanheci sedenta por ela. Foram tantas as teorias de infertilidade jabuticabóica. Outras tantas de medidas drásticas e cruéis. De pregos a machados. Ameaças e blasfêmias. E ela, feito esfinge. Resistiu, por ser bela. Vinte e dois anos depois, o pote generoso de sabor silvestre me lembra…

Meu lugar no mundo

Fui e voltei outra. Transtornada. Voltei desalmada. Meu eu sangra, esquartejado. Dividido. Meu lugar no mundo não é aqui. Meu corpo vaga perdido e deformado, tentando ocupar um espaço que não lhe pertence. Ele anseia sua alma. Alva. Límpida. A paz. Que ficou pra trás   Definitivamente: Aqui não é meu lugar.    

Casa de mãe

0:55 o número delata a hora. A buzina infernal e inflamatória, se esparrama ao léu, no breu da hora. O coração palpita. Acordo aos poucos. Maldito trem!!! Máquinas e vagões rasgam a noite ecoando estridente no túnel os trilhos metálicos. Os cachorros, gatos, sapos, grilos … e eu, ansiamos silêncio. Busco água. A sede é…

Sempre é tempo de aprender

Dias atrás, me emocionei ao ver uma foto de 1975, postada no Facebook, de um curso de fotografia feito na CACT de Estrela/RS. Na época, flertava com o jornalismo. Acabei cursando Psicologia, mas muito do que aprendi naquele curso, uso até hoje. O olhar artístico, as diferentes perspectivas, o enquadre … detalhes que fazem diferença…

Mais Sêneca, menos Prozac

Faz tempo que não escrevo sobre os livros que ando lendo, nem sobre as ideias de outros autores. Também fazia tempo que não comprava nem lia livro de autoajuda. Um dos gêneros que mais me cansa. Considero-os repetitivos e apelativos. Numa das minhas últimas idas à livraria me deparei com o livro “Mais Sêneca, menos…

Assumindo os cabelos brancos

Difícil precisar o que determinou a decisão de assumir meus cabelos brancos. Um misto de rebeldia e maturidade me parecem bem pertinentes. Também a constatação de que ficaria careca se não parasse de intoxicar meu couro cabeludo – a cada 15/21 dias. A coceira pós-retoque me alertava sobre os riscos da química das tinturas de…

Ponto de osso ou ponto de couro

Cretch, cretch, cretch. Ponto de couro. Macio.   Crotch, crotch, crotch. Ponto de osso. Duro. Modelando e acordelando a argila se transforma em coisa. objeto. peça. arte. utensílio. Ganha textura e contextura. Encorpamento e encorpadura. A rigidez do barro desperta força e coragem. Provoca o arrojo da transmudação. Na maciez ou na dureza, ambas sabemos:…

Luna

Lá fora, a lua seduz. Revela-se inteira por trás de um véu de nuvens brancas. Esfumaçada, brinca de ir e vir. Espia atentamente através do tule algodoado. Do alto, impera na noite. Segue sua dança, indiferente às estrelas. Aos cometas. Satélites. O silêncio é absoluto. O branco, lunar. Majestoso. A maresia no ar, o som…