Clarear do dia

Acordo com o clarear do dia. A persiana fica aberta para que o ar da noite e a brisa do mar refresquem o quarto. Ar condicionado só em emergência de calor extremo, noite sem brisa, sem luar, sem agito. Assim, tem manhã que acordo inspirada e levanto com o sol. Tem manhã que acordo injuriada, baixo a persiana, e tento dormir mais um pouco. Nem sempre consigo levantar nem voltar a dormir. Nem sempre acordo inspirada, nem injuriada. 

Certo é, que acordo sempre com o clarear do dia. 

Acordando

E o bentevi não cansa de bicar a claraboia da casa.

– luz que irradia o sol de todos os dias –

Ele insiste em dar rasantes e bebericar na piscina,

fazer cocô em parapeitos e sacadas.

O danadinho tá se achando.

Bica, bica, bica.

Parece pipoca na panela.

Ploc ploc ploc ploc ploc

Assim como o piriri piriri piriri que desce calha abaixo.

Chuvica preguiçosa molha de pouco em pouco,

de tanto em tanto.

Outros pássaros arrulham. Bicam. Ploc ploc ploc.

A natureza berra no silêncio da manhã.

Meus ouvidos espicham-se. Querem entender.

Desisto. Fecho as janelas. Os olhos.

Escuto. Penso. Canso. Cochilo.

Ploc ploc ploc ploc.