Sempre é tempo de aprender

Dias atrás, me emocionei ao ver uma foto de 1975, postada no Facebook, de um curso de fotografia feito na CACT de Estrela/RS. Na época, flertava com o jornalismo. Acabei cursando Psicologia, mas muito do que aprendi naquele curso, uso até hoje. O olhar artístico, as diferentes perspectivas, o enquadre … detalhes que fazem diferença no modo de ver e retratar o mundo.

IMG-5027Hoje sei que é a necessidade quem dita o que aprender e o que fazer. Me especializei o quanto pude como profissional, mãe, esposa, amiga, dona de casa … e  continuo sempre, buscando novos saberes e entendimentos. Da mais saborosa bananada ao raku mais perfeito. O que é raku? Vou aprender, depois falo.

Em 2006, ao dar um tempo na carreira profissional e me dedicar ao casamento, decidi fazer tudo que nunca tive nem tempo, nem recursos financeiros. Além de preencher e dar sentido ao meu momento de vida, atendia uma meta traçada ao desembarcar em São Paulo: encher a bagagem de  todo conhecimento possível.

Os últimos anos me mostraram o quanto aprender faz bem para a saúde e para o cérebro. Depressão e Alzheimer recuam frente às novidades. Costumo dizer que o  cérebro é meu músculo mais sarado. Aprender faz parte desta malhação. Tem assuntos que mergulho fundo. Outros, me contento com o básico. Tem assunto que engaveto, pois sei que não vou levar adiante. O básico me fartou. Sou da opinião que devemos experimentar pra saber se vamos gostar. Foi assim com o Patchwork e a Psicopedagogia. Prazer, fomos apresentados!!!! Apenas isso. Não rolou nenhum tipo de atração, que dirá, paixão. Quando quero, compro as peças de patchwork. Quanto à Psicopedagogia, tenho alguns bons nomes na minha lista de contatos.

Assim, depois de finalizar a especialização em Arteterapia, surgiu a vontade de conhecer o universo da cerâmica e do desenho. Na cerâmica ando me desdobrando, e só não fui ao limite e aos extremos, pois não encontrei grande parte das ferramentas necessárias e tenho consciência do quanto falta para que eu possa me aventurar sozinha em algumas modelagens e peças, sem o risco  de perder todo o trabalho e material. Fazer cerâmica é muito mais difícil e complicado do que parece. Nesta semana iniciei meus primeiros trabalhos (inacabados) com placa cerâmica e carimbo: são porta-colheres e porta-incensos. Por enquanto. Aliás, a lista de trabalhos inacabados está aumentando consideravelmente. Depois de queimar as peças, vai chegar a hora de esmaltar e dar acabamento final. Assunto para outro post.

 

Já o interesse por desenhos vem do tempo de menina. Conversando com uma profissional da literatura (que diagramou e preparou o livro Os Segredos de Serena) ela sugeriu que contratássemos um ilustrador para meu novo livro. A ideia é editar um livro de arte e poesia, com fotos, gravuras, texturas, enfim … Com o orçamento em mãos, a certeza de que a hora de aprender a desenhar havia chegado. Comprei um curso básico (eudesenho.com) de desenho para iniciantes na internet. Meu primeiro curso online. Catei lápis, borracha, apontador e folhas de papel sulfite usadas. Tudo absolutamente amador. Todos os dias, reservo um tempinho pra rabiscar desenhos, assistir tutoriais no YouTube e praticar os temas apresentados na aula. Que sejam 15 minutinhos, enquanto estico o esqueleto.

 

Felicíssima pelas árvores e xícaras de café que ando desenhando. Se continuar assim, viro ilustradora do meu próximo livro.

Minha Palavra: APRENDER

Dias atrás assisti com meu marido – pela enésima vez – o filme “Comer, Amar, Rezar” (post de 05.09.2011).  Com Sky em casa e os filmes sendo reprisados o tempo todo, tenho assistido – e gostado – de assistir o mesmo filme várias vezes. Assim também, tenho gostado de reler livros. 1,2,3 até 4 vezes. Meu recorde. Cada nova vez é única, pois vejo/percebo coisas diferentes. Desta vez saí encafifada do filme com A Minha Palavra. Durante o filme, em Roma, os amigos de Elizabeth perguntam a ela qual palavra a definiria. Só bem no final do filme ela descobre sua palavra: “atraverssiamo”. Em italiano quer dizer algo como atravessando, travessia, passagem. No dia em que reassisti ao filme fiquei pensando em qual seria a palavra que me define. Hoje deu aquele click. APRENDER. Sempre gostei de aprender: desde fazer tricô, arraiolo, crochê, jogar tênis, dança do ventre, yoga, tocar violão, aprender alemão, inglês, computação, fazer velas, várias especializações, culinária vegetariana, workshops……… Enfim, sempre que posso, busco novos conhecimentos e aprendizados. Acredito que conhecimento não ocupa espaço e que uma coisa leva à outra, pois tudo está interconectado. Mosaico, patchwork e scrapbooking apesar de trabalharem com produtos diferentes (azulejo, tecido e papel) são técnicas de reaproveitamento de tudo que temos. A essência do processo é extremamente similar. Inglês e alemão, espanhol e português, tem muito em comum. Hoje comecei a fazer um curso sobre Mídias Digitais. Nesta primeira aula (serão 4 ao todo) tive um “overview” sobre este universo envolvente e penetrante. Possivelmente sou a mais vivida do grupo. Rsrsrsrrsrs A maioria são meninas novas – a mais nova tem 16 anos – e a grande maioria tem blog de Moda. Dos 18 inscritos apenas dois homens: um jornalista e “alguém” que ninguém gosta do que posta, nem no Blog nem no Facebook. O bacana neste tipo de curso – já me permito isso e sem vergonha alguma – é que não sinto obrigação de saber e conhecer palavras ou tecnologias de informática. Mesmo que às vezes me sinta quase uma analfabeta digital, uma ET, uma cocoroca, pergunto sem receio as coisas mais estapafúrdias. Podem até ser óbvias depois, mas pra não ficar boiando na maionese, vou logo perguntando. Como hoje foi meu primeiro dia – e primeiro dia é primeiro dia – observei mais do que falei (talvez um hábito enraizado de psicóloga clínica). Pra amanhã, já estou com uma lista de questionamentos com 9 itens. Durante a noite, certamente a lista vai se alongar. Espero que meus colegas me aguentem, porque desde sempre mas só hoje percebi, APRENDER é minha palavra. E pra aprender tem que fazer, errar, refazer, acertar, melhorar, tirar dúvida, insistir, praticar, persistir, perguntar. Até conseguir.

Acabei de lembrar de mais 1 item.co