Submersa

O dia foi de sol e mar. Plácidos e serenos.

Maré baixa.

Nela, redescobri a cidade das conchas.

Uma cidade posta na orla exposta feito xadrez no tabuleiro.

Atlântida à beira mar a um braço do olhar,

fora do alcance da ligeireza do mar.

A cidade embaralhada. Meu olhar ali se perdeu:

Entre o ir e o vir das ondinhas;

Entre o ir e o vir das conchas.

Grandes e pequenas,

argonautas, conchas-lua/pera/aurora. Um banco de ostras.

Provisórias e passageiras, despedaçam-se. Acabrunham-se. Esparramam-se.

Se perdem e se reencontram na imensidão das águas.

Estou aqui por elas. Sedutoras,

me convidam a caminhar; me convencem a ficar.

Levo-as para casa, essas casas abandonadas.

Compomos um lar à beira mar.