Seis Meses

Em 06.06.2012 minha cirurgia fez aniversário. Quando decidi pela plástica fui informada de que o sexto mês representaria um marco no pós-operatório, pois é quando os resultados começam a aparecer. Inchaços, edemas e cicatrizes amenizam e pode-se ver melhor o resultado da intervenção. É estranho, já que estou tão acostumada com meu novo corpo que esta constatação aconteceu em menos de um mês. Sei que o resultado final pode demorar entre 18 e 24 meses, principalmente no que diz respeito à diminuição parcial ou total das cicatrizes. No meu caso, mais tempo ainda, por causa da reação da minha pele e o rompimento dos pontos. Depois do último retoque, consultei um dermatologista que recomendou pelo menos um ano de descanso para minha pele, já que ela estava como um “pit bull raivoso”. Ou seja, nada de mexer com ela. Este é o momento de “colonizá-la”, repondo células epiteliais e acalmá-la. RENOPEL nela. Ok, estou seguindo as recomendaçõe do dermatologista e dei umas férias pro meu plástico. Detesto ter me transformado numa paciente pesadelo, mas pretendo revê-lo no aniversário de 1 aninho. Nosso trabalho continua em aberto, em processo de evolução. Fico tranquila pois ele repara o corpo – sem custo extra– no periodo de até 5 anos. Ou seja, tenho até 06/12/2016.  Mas não pretendo fazer muitos reparos. Até porque estou muito satisfeita com o resultado final como um todo. Excetuando a cicatrização do meu seio que aconteceu por terceira intenção, desenvolvendo uma hipertrofia nada sensual, todo o resto está dentro das minhas expectativas. E eu, feliz pela coragem e ousadia. E pelo resultado.

Na minha caminha

Passou. A consulta, o dia, o nervoso, a ansiedade. Assim como eu, meu médico também estava aflito e apreensivo com o que havia por trás do meu Rorschach. Profissional renomado e internacionalmente reconhecido, confidenciou-me que nunca havia apanhado tanto de uma cicatriz!!! “Menina, tu é difícil”. Pois é, eu sempre soube. “Vamos ver. É só pele, é algo bem superficial.” Imaginei a tortura que seria remover o mini-gesso, estava toda dolorida. No entanto, foi rápido e delicado e surpreendentemente melhor do que o imaginado. Nada que me livre de um novo retoque em seis meses. Tempo necessário para minha pele, meu corpo, minha alma e minha essência descansarem e se recuperarem. Do que foi feito, 50% foi mantido. A trincheira erguida pelo plástico foram duas linhas de sutura (uma com fio grosso e outra com fio fino de cirurgia plástica) mais uma linha de cola. A linha de cola e a linha fina foram varridas impiedosamente, mas a linha do fio grosso se mantém firme. Ainda bem. Agora só pomadinhas e gaze até o completo restabelecimento da pele. No máximo duas semanas. Depois, prepará-la para em outubro finalizar e afinar ao máximo a cicatriz. Por enquanto, só paciência e a volta a uma normalidade com data marcada. O que, por ora,  já me basta. Dizem que devemos ter cuidado com as palavras. O universo nem sempre interpreta corretamente pedidos ou desejos. Em meu planejamento anual, o primeiro semestre seria para ficar mais com meu marido, viajar e cuidar das minhas cicatrizes. Bem, daqui há um mês começo a viajar, viu universo? Depois da Rota 66, tenho ainda três outros destinos a visitar e já estamos em abril, mês quatro.  Em junho fecha o primeiro semestre, viu universo? E eu ainda tenho outras coisas na fila de espera, e aquela coisa de cuidar de cicatrizes já deu, viu universo? Está bem entendido? Cicatrizes, só em outubro, entendeu universo? Fui suficientemente clara?