"Feliz por nada"

Último livro da Martha Medeiros? Acho que sim. Pela ficha catalográfica é de 2011. E imagino que 2 livros ela não publicou este ano. Fico confusa quando compro livros de escritores conhecidos. Sempre que vou na livraria, os livros ficam todos juntos. Então nunca sei qual o primeiro, o terceiro, o último. Enfim.
“Feliz por nada” foi meu livro de respiração. Aquele, entre um tijolo duro e um tijolo denso. A leitura flui sem esforço e trabalho, assim como respirar. A autora traduz em palavras o que pensamos, sentimos e somos de uma forma fácil e prazerosa. Penso que é sua grande característica. A simplicidade.
“Trem Bala”, “Coisas da Vida”, “Montanha Russa”, “Divã” entre outros, dividem espaço em minhas prateleiras com Lya Luft. “Perdas e ganhos”, “Pensar é transgredir” foram meus primeiros contatos com Lya. Sempre que fico em dúvida sobre o que ler e não tenho indicação nem inspiração para inovar, procuro quem já conheço. Tanto Lya Luft como Martha Medeiros são escolhas com erro mínimo. Me foi indicado o também gaúcho Carpinejar. Estou lendo seu “Mulher Perdigueira”.
Continuo respirando. Antes do próximo tijolão. O escolhido?
“Incesto” de Anaïs Nin.