Desconfie

Sabe aquela frase desconfie de uma mulher que sangra 5 dias por mês e não morre? Pois é, desconfie mesmo. Ela se transforma num ser mirabolante:

Ou, ela parece que circula com pernas tomadas de uma trombose pura, lenta e paquidérmica (mas o espelho não revela nenhum grau de elefantíase);

Ou, ela fica tão brava e descontrolada, possuída, ultra-memorizada e obcecada, que quem com ela convive prefere viver horas a menos de um tempo interminável. Sinceramente, se eu pudesse, me afastaria dela também;

Ou, ela trocaria sem culpa uma tonelada de salada e frutas por um saco de algumas  gramas de toffes chocolate, pra comer num jogo voraz de curtíssima duração.

Ou, ela ficaria uma fofa chorosa e grudenta, sensível a qualquer respiro ou sussurro;

Ou, e dê graças a todos os anjos, santos e conchinhas:

Ela simplesmente passa os ciclos mensais, sem se dar conta de que é mulher.

Sinceramente, prefiro ser mirabolante.

Me faz sentir mais feminina e mais completa.

TPM

Taí: Palavra de Mulher

T.P.M.:

Triste, Perturbada, Melancólica,

Tensa, Pré-menstrual, Megera,

Teimosa, Prostrada, Macambúzia,

Temperamental, Perigosa, Mimada,

Tempestuosa, Perceptiva, Mal-humorada,

Tendenciosa, Paranoica, Militante,

Tinhosa, Problemática, Mirabolante,

Tragicomédia, Psicossomática, Modismo,

Transe, Perrengue, Murmúrios,

Transcender, Protestar, Mistificar.

Tabu Terrível, Praga Pegajosa, Madrasta Miserável.

Teatral e Tirana, Preocupada e Perspicaz, Mordaz e Mal-amada.

Tortura Patética Monocromática.

Tampouco,

Puxa-vida!!!!

Maldita Meleca Mensal.

Dias negros

Alguns dias são negros. Faltam-lhes cor, sabor, risos e alegria. São dias nublados e desbotados. Nada apetece, nem para comer nem para fazer. Melhor olhar televisão e se envolver no colorido da vida dos outros, onde há energia para fazer acontecer.
Acho que todos temos dias assim. Meus dias tornam-se opacos e sem brilho quando estão próximos da TPM. Às vezes antes, às vezes, depois. Incrível o tombo que os hormônios são capazes de dar. É como uma montanha russa hormonal.
Num dia alegria, noutro dia tristeza. Sem mais nem menos. Altos e baixos.
O que foi que aconteceu? Nada. Como assim, nada?
Nada. Apenas o reverso da moeda.
Quando a agenda está cheia de trabalho e compromissos a sensação é de extrema dificuldade e cansaço. Mas quando a agenda está tranqüila, a tristeza emudece e a energia some. Guardar a margarina na geladeira é quase um martírio. Porque as lágrimas nos olhos? Não faço a mínima idéia. Mas estão lá, incriminatórias.
Amanhã estarei melhor. É sempre assim e é assim há muitos anos.
Nada que uma boa noite de sono não resolva. No máximo duas noites.
Anos atrás estes dias eram de fúria e irritação. Eram a desculpa perfeita para xingar, brigar, colocar os pingos nos is com tudo e com todos. Os sintomas apenas mudaram, porque a causa ainda é a mesma: TPM.
Será a maturidade da meia-idade sobrepujando a instabilidade da juventude?
Pode ser. Mas, se bem me lembro, mês passado estive irritadiça. Que seja! Isso pouco importa.
Mais uma noite então. E amanhã estarei com toda a energia para lavar a louça da pia, guardar a roupa no armário, regar as flores – sobreviventes a esta altura – arrumar o apartamento, ir ao curso e ao supermercado, organizar toda aquela papelada esparramada no escritório, responder um monte de e.mails, ligar para várias pessoas…..Assim espero. Vai que nesta fase de mudança de sintomas, sejam necessários mais dias para normalizar.
Coisa louca esta variação hormonal. Se a gente se estranha, imagina quem convive com a gente.