O último viandante

“Era um caminho que de tão velho, minha filha,

já nem sabia mais aonde ia …

Era um caminho

velhinho,

perdido …

Não havia traços

de passos no dia

em que por acaso o descobri:

pedras e urzes iam cobrindo tudo.

O caminho agonizava, morria

sozinho …

Eu vi …

Porque são os passos que fazem os caminhos!”

(Quintana, Mário A cor do Invisível, Rio de Janeiro, Objetiva, 2012 – pg 22)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s