Ele e eu … decolando.

Passei a deixar o celular com a secretária, pelo menos durante o horário de consultório. Era ela quem me passava qualquer recado deixado no celular. Nem sinal de Nathan. Voltei a caminhar na praia, passar horas na academia. Procurava me manter ocupada o tempo todo. Comecei a beber mais e comer e dormir de menos. Meus dias começaram a ficar prejudicados. Estaria eu sofrendo de algum tipo de compulsão? Uma paixão doentia? Marquei horário com um amigo psiquiatra. Óbvio que ele me receitou um antidepressivo e outras boletas. Do que eu estava sofrendo? Ele ainda não sabia. Preferiu não arriscar nenhum diagnóstico. Por enquanto, deveria seguir o tratamento e retomar minha terapia. Nem morta, tenho mais o que fazer, não quero, não preciso. Marquei horário com ele para a semana seguinte. Não fui. Inventei uma desculpa. Sabia que ele sabia. Remarquei. Faltei de novo. Eu estava atuando. Ambos sabíamos disso. Eu precisava de ajuda. Precisava de Nathan.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s